23 de mai de 2014

Requalificação da orla maritima de Ilha Comprida-SP

Em busca de organizar e dinamizar as atividades beira-mar, com estratégias que contemplam as condições naturais e as necessidades de moradores e do turismo de veraneio, o escritório paulistano Boldarini Arquitetos Associados propôs conexões entre equipamentos públicos e eixos de circulação no projeto de requalificação da orla de Ilha Comprida, litoral sul de São Paulo.


  • Ocupando uma estreita faixa de areia, com aproximadamente 72 km de extensão por 3 km de largura, o município tem importante papel ambiental como um quebra-mar para proteger a porção continental das influências de ventos e mares.

    Segundo o arquiteto Marcos Boldarini, a partir da década de 1970, o intenso processo de loteamento e a irregularidade fundiária promoveram a mudança da paisagem natural de dunas e a vegetação de restinga (que ajudam a manter e fixar as colinas de areia). “A abertura de vias, novos loteamentos e construção de edificações prescindiram de aterros e remoção da vegetação então existente. Este fato expõe, hoje, o espaço urbano aos efeitos dos ventos e mares, culminando com dificuldades de implantação de uma infraestrutura costeira adequada tanto para os moradores e visitantes quanto para a recuperação e valorização do ambiente natural”, explica.

    Vencedora de uma licitação pública, a proposta abrange uma área de 28,3 hectares e 3,2 km de extensão de intervenção, que parte da requalificação da Avenida Beira-Mar – no trecho compreendido entre as avenidas Copacabana e São Paulo –, correspondente à porção central da ilha já estruturada. Este lote escolhido tem por objetivo frear o adensamento urbano em direção às áreas de preservação ambiental.

    O parcelamento do solo se caracteriza por uma malha ortogonal, com quadras de 50 m de largura, que configuram uma série de vias perpendiculares à praia e uma situação desordenada de usos – figuado pela presença maciça de veículos, ciclistas, vendedores, quiosques, estruturas temporárias e conflitos ambientais. “O projeto parte da ordenação desses usos beira-mar a partir dos pontos de parada do transporte público, tomado como elemento mediador entre a praia – ambiente natural – e a ocupação urbana – ambiente construído. Pretende-se uma transformação urbana a partir da questão pública do transporte coletivo, o que permite uma apropriação verdadeiramente democrática do espaço desenhado”, afirma o arquiteto.

    Uma parada de ônibus será posicionada a cada 500 metros, como um elemento de recepção e distribuição dos fluxos, composta por cobertura metálica, quiosques e áreas sociais com acesso direto à praia e ciclovias, previstas para serem construídas em todo o quadrilátero central – a fim de otimizar o comércio e serviços.

    Passarelas suspensas a 1,6 metros acima do nível das calçadas, que possibilitam a movimentação das dunas e a recuperação da vegetação nativa, formam os principais pontos de acesso à praia e também funcionam como mirantes, com vista panorâmica para o oceano.

    Outro recurso importante do projeto é o canal de drenagem, infraestrutura principal de macrodrenagem de Ilha. Além do seu caráter técnico, constitui-se como possível produtor de matéria orgânica para reconstituição vegetal das dunas e elemento articulador de educação ambiental envolvendo escolas, sociedade civil e instituições públicas. O projeto está previsto para ficar pronto em 2016.

    Clique aqui para escutar o áudio do arquiteto Marcos Boldarini e saber mais sobre o conceito adotado no projeto de requalificação da orla marítima de Ilha Comprida.

    CONFIRA TAMBÉM A ÍNTEGRA DO MEMORIAL DESCRITIVO!

    REQUALIFICAÇÃO DE ORLA MARÍTIMA
    Arquitetura
     Boldarini Arquitetos Associados – Marcos Boldarini, LucasNobre, Larissa Reolon; Juliana J. Pedroso de Melo, Flavia G. Cavalcante (arquitetos colaboradores)

    Complementares
    Colaboração no desenvolvimento do Projeto Executivo: Conde Doria Arquitetos – Filipe Doria, Bruno Conde, Sílio Almeida
    Dinâmica costeira no Boqueirão Norte: Mariângela Oliveira de Barros
    Drenagem pluvial: Linear Engenharia e Tecnologia
    Estruturas e fundações: Engº Wagner Garcia
    Iluminação pública: Tecnowatt Iluminação
    Infraestrutura: Carlos Henrique Ravazi
    Instalações hidráulicas e elétricas: DMA Engenharia
    Levantamento florístico em áreas de dunas remanescentes: Pablo Garcia Carrasco
    Modelo eletrônico: Luiz Marino
    Realização e coordenação: Estância Balneária de Ilha Comprida – Prefeitura Municipal
    Área de intervenção 28,3 há
    Extensão da intervenção 3,2 km
    Local Estância Balneária de Ilha Comprida, São Paulo

Share:

0 comentários:

Postar um comentário