12 de abr de 2015

Parque Nacional do Cabo Orange -Amapá-AP

Parque Nacional do Cabo Orange localiza-se entre as cidades de Calçoene e Oiapoque, no extremo norte do Amapá, a 450 km da capital Macapá.
Tem como limites, ao norte, a região fronteiriça à Guiana Francesa; ao sul, a Área Quilombola de Cunani; ao leste, o Oceano Atlântico; e, a oeste, o Projeto de Assentamento de Vila Velha, bem como as terras indígenas Uaçá e Juminã, cujos nativos, por séculos, disputaram o território com portugueses, franceses, ingleses e holandeses.
E foi um destes últimos que, em homenagem à realeza de seu país, batizou o acidente geográfio do extremo norte brasileiro com o nome da cor que é a marca nacional da Holanda, resultando em Cabo Orange.
O Parque foi criado em 1980, pelo Decreto n° 84.913, e tem gestão do ICMBio (Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade), instituição vinculada ao Ministério do Meio Ambiente.
Foi a primeira unidade de conservação federal criada no Amapá, que tem 55% de seu território protegido por parques, reservas e terras indígenas. Juntamente com os parques nacionais Montanhas do Tumucumaque, do Monte Roraima, do Pico da Neblina e da Serra do Divisor, O PNCO forma o conjunto de Parques Nacionais fronteiriços da Amazônia brasileira.
O Parque compreende uma área total de 657.318,06 hectares de bioma Marinho Costeiro. Desse total, a maior porção foi definida como Zona Primitiva (54,64%, com 358.760 hectares), seguida pelas Zonas de Uso Extensivo (20,82%, com 100.891 ha) e Zona de Ocupação Temporária (20,15%, com 119.366 ha). O restante da área total é composto zonas de Superposição Indígena, de Uso Conflitante, de Uso Especial e Zona Histórico-cultural.
Das zonas predominantes, a Primitiva é aquela em que ocorreu pouca ou mínima alteração, contendo espécies da flora e fauna ou fenômenos naturais de grande valor científico.


A de Uso Extensivo são constituídas, em sua maioria, por áreas naturais, podendo apresentar alterações humanas. Por fim, a de Ocupação Temporária envolve áreas onde ocorrem concentrações de populações humanas residentes e suas respectivas áreas de uso.
Para estas e demais zonas, sempre integrado às comunidades do entorno, o Parque tem como objetivos basilares:
  • preservar ecossistemas naturais de grande relevância ecológica e beleza cênica;
  • preservar áreas marinhas, úmidas costeiras, manguezais, florestas, manchas de cerrado amazônico e fauna associada;
  • manutenção de um ambiente natural com impacto humano mínimo;
  • facilitar a realização de pesquisas científicas e incentivar o desenvolvimento de atividades de educação e interpretação ambiental, bem como de turismo e de recreação em contato com a natureza.

O cumprimento de tais metas se reflete no excelente estado de conservação do PNCO, garantindo abrigo e fartura de alimentos para a preservação e reprodução  de aves, répteis e mamíferos, muitos ameaçados de extinção pela destruição de seus ambientes naturais.
Dentre as espécies preservadas no Parque, o guará, o flamingo, a garça-branca-grande, a tartaruga-verde, a onça-pintada e a suçuarana, o gato-do-mato, veado-campeiro, lontra, tamanduá-bandeira, peixe-serra , tatu-canastra, peixe-boi marinho e peixe-boi da Amazônia.
As espécies vegetais mais comuns, de ecossistemas amazônicos com correntes do Oceano Atlântico, são manguezais, várzeas, campos inundáveis e limpos, mangues vermelho e amarelo. Já nos campos de planície, o capim-arroz, o buriti, o caimbé e o mururé.
O parque também guarda uma flora diversificada, onde vicejam espécies como a siriúba, o periquiteiro, o buriti, a andiroba e o açaí, além de árvores de grande porte, como a maçaranduba, acariquaras e quarubas.
SÍTIO RAMSAR
O Parque Nacional Cabo Orange tornou-se Sítio Ramsar em  fevereiro de 2013, correspondendo à diretriz do governo brasileiro, cumprida desde sua adesão à Convenção de Ramsar, de indicar para a Lista deste tratado internacional somente Áreas Úmidas que sejam unidades de conservação, assim favorecendo a adoção de medidas necessárias à implementação dos compromissos assumidos pelo país perante a Convenção.
Além do PNCO, o Brasil tem outras 11 áreas úmidas na Lista de Ramsar. 
Assessoria de Comunicação Social (Ascom/MMA) – Telefone: 61.2028 1227
Matéria assinada por Marcelo Carota 

0 comentários:

Postar um comentário

 
Copyright © . ODTUR - Otavio Demasi: Turismo e Políticas Públicas - Posts · Comments
Theme Template by BTDesigner · Powered by Blogger