13 de ago de 2015

Prefeitura de São Paulo vai mudar nomes de ruas que lembram agentes da ditadura. Editor- Essa atitude corajosa, deve e precisa ser reproduzida em todo o país, inclusive trocando também o nome de Municipios. Ditadura Nunca Mais. Democracia Sempre


A prefeitura de São Paulo vai substituir nomes de ruas que homenageiam agentes da ditadura militar, a começar pelo Viaduto 31 de Março (referência ao golpe de 1964), localizado na região central da cidade que passará a ser Viaduto Thereza Zerbini, em honra à ativista que lutou pela anistia de perseguidos pelo regime.
O projeto de lei que altera a denominação do viaduto foi encaminhado hoje (13) à Câmara Municipal. Outro projeto, também enviado à Câmara Municipal, impede novas homenagens a violadores dos direitos humanos. As ações fazem parte do programa Ruas da Memória para mudar o nome de mais 22 ruas e avenidas que fazem menção a agentes ou figuras-chave da ditadura.
De acordo com a coordenadora de Direito à Memória e à Verdade da prefeitura, Carla Borges, serão substituídos “nomes de torturadores e pessoas que não simbolizam o que a gente acredita que são os valores de uma sociedade que se pretenda efetivamente democrática”.
A ideia não é simplesmente remover as homenagens ao regime, mas trabalhar as memórias ligadas à repressão com os moradores das regiões em que se propõe as alterações. “Queremos utilizar o programa como uma oportunidade de levar o debate sobre a memória e a verdade para os diversos territórios da cidade”, explicou Carla.
A partir das violações cometidas no passado, a idéia é também discutir os reflexos no presente. “Conversar com esses moradores sobre o que foi a ditadura, o que significa o legado autoritário. O que significa a violência de Estado ainda hoje, manifestada principalmente na violência contra jovens negros de periferia pela ação da polícia”, acrescentou a coordenadora.
Na região do Grajaú, extremo sul da capital, houve um encontro de saraus para debater a alteração do nome da Avenida Golbery do Couto e Silva. O general foi chefe da Casa Civil nos governos ditatoriais de Ernesto Geisel e João Baptista Figueiredo. “Foi um encontro de saraus, valorizando os artistas locais da zona sul, para juntos pensarmos qual seria o nome mais adequado; se eles sabiam quem era Golbery e se tinham sugestões de pessoas que promoveram direitos humanos na região”, ressaltou Carla. A partir da conversa, foi encaminhado um projeto para que a via passe a se chamar Padre José Pegoraro.
Além das ruas e viadutos, serão discutidos os nomes de 15 escolas e cinco ginásios que remetem a personagens do regime militar.

Edição: Jorge Wamburg     Daniel Mello - Repórter da Agência Brasil Ilustração www.dm.com.br

0 comentários:

Postar um comentário

 
Copyright © . ODTUR - Otavio Demasi: Turismo e Políticas Públicas - Posts · Comments
Theme Template by BTDesigner · Powered by Blogger