4 de jun de 2016

Estados Unidos: Greve de 44 dias trava ofensiva

 


Trabalhadores da Verizon em greve nos EUATrabalhadores da Verizon em greve nos EUA
Segundo o sindicato Communications Workers of America (CWA), a luta arrancou ao patronato "enormes conquistas" como um aumento salarial de 11% ao longo dos próximos quatro anos, a criação de 1.300 novos postos de trabalho nos EUA, ou a contratação efetiva dos primeiros 70 trabalhadores precários da rede sem fios, setor onde, até agora, os contratos de trabalho estáveis eram uma miragem.

Apesar de, no último triênio, a Verizon ter declarado lucros de US$ 39 bilhões, a multinacional começou 2016 com uma extorsão: ou os trabalhadores aceitavam a total precarização das suas vidas ou os capitalistas transferiam os postos de trabalho para países como as Filipinas, onde a mão-de-obra é remunerada por menos de US$ 2 por hora. Em causa estava a substituição de toda a rede de comunicações por cabo por uma rede sem fios operada por trabalhadores sem direitos, mais cara e menos rápida para o consumidor, e menos exigente em mão-de-obra, facilitando assim os despedimentos. O patronato exigia ainda a liberdade de transferir funcionários para locais de trabalho até 130 quilômetros de distância, a definição dos domingos como "dias de semana", a aplicação de cortes nas pensões, a redução da contribuição patronal para as reformas e para os custos de saúde dos trabalhadores e o fim dos bónus em função dos lucros.

Uma greve de proporções históricas

Da Virgínia a Massachusetts, a costa leste dos EUA ficou imersa numa das mais longas greves de que há memória recente. Perante a inflexibilidade dos patrões, os trabalhadores responderam com uma firmeza e persistência que abalaram a agenda política nacional e obrigaram à intervenção da Casa Branca, através do secretário do Trabalho, Thomas Perez.

A irresponsável teimosia dos donos da Verizon, que procurou substituir os grevistas por "amarelos" (ou crostas como se lhes chamam nos EUA), deu origem a incontáveis acidentes, falhas de serviço e chegou a ameaçar o funcionamento da própria bolsa de Wall Street. "Não podemos suportar a greve durante mais tempo", avisava um comunicado da Verizon na semana passada.

"Depois de mais de seis semanas nos piquetes de greve, os trabalhadores da Verizon conquistaram um excelente contrato novo que protege os trabalhos com direitos", fez saber o CWA através do vice-presidente do Distrito Um, Dennis Trainor, "Unidos, estamos a inverter a maré de cortes contra a classe trabalhadora, a construir um movimento mais forte e a fortalecer o poder dos trabalhadores americanos. Pela primeira vez na história, trabalhadores da Verizon wireless vão ter um contrato coletivo de trabalho", sublinhou.

Incógnitas e limitações

Embora os trabalhadores tenham regressado ao trabalho esta quarta-feira, ainda não são conhecidos todos os detalhes do contrato pré-acordado por sindicatos e patrões. Entre os pontos do acordo que agora será discutido e votado pelos trabalhadores, constam contrapartidas, ainda nebulosas, que permitirão embaratecer os custos da Verizon com os cuidados de saúde dos funcionários ou flexibilizar a gestão dos serviços de call-center sem, contudo, recorrer a sub-contratação.

Trata-se, ainda assim, de um "acordo positivo", garante o sindicato International Eletrical Workers: "emergimos de uma guerra ideológica com uma empresa que achava que esta seria a oportunidade ideal para destruir o sindicato. (…) Quando isso não aconteceu, perceberam que tinham subestimado seriamente a nossa solidariedade".

Fonte: Avante!

reescrito de www.vermelho.org.br
Editor - o capitalismo selvagem, é selvagem em todo o planeta.

0 comentários:

Postar um comentário

 
Copyright © . ODTUR - Otavio Demasi: Turismo e Políticas Públicas - Posts · Comments
Theme Template by BTDesigner · Powered by Blogger