1 de jul de 2016

A indicação de Nelson Silva para a Diretoria Estratégica na Petrobrás, é altamente estratégica para as transnacionais do petróleo.

Sem demérito algum, embora sendo radicalmente contra a entrega, mesmo que seja de uma gota de petróleo ao capitalismo internacional neoliberal, ou liberal, o que seja, o que se depreende consultando o portal das empresas que o amigo do interino Pedro Parente indicou para a Perobas, atuou em empresas globais, que nos países que atuam, sugam ao máximo o que podem, fazem de tudo para comprar as consciência das autoridades, membros do legislativo, executivo e sempre se associando com a chamada elite economica. Vejamos a Vale, entregue no governo FHC na chamada privaria tucana, ligada a BHP Billiton, Nibrasco -japonesa, Kobrasco , coreana, Itabriso, italiana e a Samarco e o que vemos, foi o maior desastre ecológico que o Brasil teve com o rompimento da barragem de contenção de dejetos em Mariana-MG e nada de prender ou suspender as atividades e com multas irrelevantes. A Siderar, na Argentina trabalha com aços finos que foi adquirida na Tecnint , outro braço internacional, que também possui a Tenras (tubos e aço, Ternium (aços planos e longos), Tenova (fornece tecnologia para industria de metais e mineração), Tecpetrol (explora petróleo e gás e opera redes de distribuição) e Humanitas, na Itália (rede de hospitais). No Brasil realizou de 2010 para cá a  Unidade de coqueamento da Refinaria Landulpho Alves- BA, Plataforma WHP -2 (OSX), Fabricação de módulos e integração FPSo.P76 e Usina Nuclear Angra 3. A BC Brasil, hoje foi adquirida pela Shell.  No tocante a África ressalta-se a participação no Conselho Consultivo Institucional do Presidente de Moçambique -Armando Emílio Guebuza GColIH (Murrupula, Nampula, 20 de Janeiro de 1943)[1] é um político moçambicanoque foi presidente do seu país de 2005 a 2015.
Juntou-se à FRELIMO em 1963, pouco após o início da Guerra da Independência de Moçambique, na então Lourenço Marques e abandonou Moçambique em 1964 para estudar numa escola especial na Ucrânia, base de Perevalny. No Governo de Transição (1974-1975), Guebuza ocupou a pasta da Administração Interna e no primeiro Governo do Moçambique independente a pasta de Ministro do Interior. Foi como Ministro do Interior que emitiu a ordem conhecida como "24 20" que dava a todos os residentes portugueses 24 horas para deixar o país, não lhes sendo permitido levar consigo mais de 20 quilos de bagagem. Durante os anos 80, foi responsável pelo muito impopular programa "Operação Produção", que visava deslocar os desempregados das áreas urbanas para as áreas rurais no norte do país.[2] Após a morte de Samora Machel, num acidente de aviação na África do Sul, fez parte da comissão que investigou o acidente. Essa comissão não chegou a qualquer conclusão. Em 1992, foi nomeado chefe da delegação do governo na Comissão de Supervisão e Implementação do Acordo Geral de Paz para Moçambique.
Após o abandono das políticas económicas socialistas pelo presidente Joaquim Chissano, que incluiu a privatização de empresas estatais, Guebuza tornou-se um empresário de sucesso, já que muitas das empresas, que antes eram estatais, passaram a pertencer-lhe, particularmente nas indústrias de construção, exportação e pescas. Os bens estatais tornaram-se sua propriedade, por meio de herança do governo. De forma alguma o indicado deva ter alguma coisa com isso, mas isso deve ser do conhecimento,-pelo menos rumores, e mesmo defendendo o pão-de-cada dia, o mais viável era deixar o cargo.
Esse senhor trabalhou sua vida para empresas -petroleiras não chegam a dez no mundo e mineradoras que visam na sua totalidade exaurir o máximo da matéria prima, ambas não renornável, pois não nascem em árvores que possam ser plantadas e colhidas, arrasam tudo e depois bye-bye brasil, ou outro local qualquer. e no máximo fazem caridade através de ONGs  É a ação selvagem do capitalismo que existe e que precisa acabar. O Brasil com a Petrobrás e o dinheiro do povo brasileiro não pode e não vai ser dilapidada via agentes dessa péssimo capital  e vermos nossa soberania ir ralo abaixo.
Abaixo o curriculum do indicado  Nelson Luiz Costa Silva. Pesquisa nos portais de busca , que está tudo lá e deixe de ler jornais, rádios e televisões golpistas quando pretender se informar. Editor Otavio Demasi jornalista Mtb 32548 - consultor de turismo
  • Membro do CA das seguintes JVs da Vale: Nibrasco (Brasil), Kobrasco (Brasil), Itabrasco (Brasil), Caemi (Brasil), Samarco (com a BHP Billiton no Brasil), GIIC (Bahrain); Siderar (Argentina)
  • Membro do CA das seguintes JVs da BHP Billiton: BMC (com Mitsubishi na Austrália), BMA (com Mitsui na Austrália), Global Alumina (Guinea), BMS (com Alcoa no Suriname), Bayside Aluminium e Hillside Aluminium (com IFC e sócios sul-africanos na África do Sul)
  • Chairman das seguintes JVs: Mozal Alumina (com IFC e sócios sul-africanos e moçambiquenhos em Moçambique); Worsley Alumina (Austrália)
  • Outras posições ocupadas: Presidente do Sinferbase, membro independente do CA da Brasil Brokers (empresa listada no IBOVESPA), membro do Conselho Consultivo Internacional do Presidente Ghebuza de Moçambique,conselheiro do Instituto Brasileiro de Petróleo (IBP) e Associação Brasileira das Empresas de Exploração e Produção de Petróleo e membro do CDES Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social da Presidência da República desde 2014
  • Posições ocupadas atualmente: membro do Conselho de Curadores do Museu de Arte do Rio e da Orquestra Sinfônica Brasileira.

0 comentários:

Postar um comentário

 
Copyright © . ODTUR - Otavio Demasi: Turismo e Políticas Públicas - Posts · Comments
Theme Template by BTDesigner · Powered by Blogger