5 de set de 2016

Eurodeputados pedem que UE pare negociações com Mercosul por impeachment de Dilma. Editorv - só para a midia GOLPISTA NÁO FOI GOLPE

Eurodeputados pedem que UE pare negociações com Mercosul por impeachment de Dilma
Quinze parlamentares de esquerda pedem que bloco não negue 'ataque dramático' à democracia e que corrupção 'não seja recompensada'



Um grupo de 15 eurodeputados da Esquerda Unitária Europeia e do Partido Verde da Eurocâmara pediu em carta à União Europeia (UE) divulgada nesta segunda-feira (05/09) que pare a negociação de um acordo de associação com o Mercosul devido ao impeachment da presidente eleita e agora ex-presidente Dilma Rousseff.

Clique e faça agora uma assinatura solidária de Opera Mundi

"Expressamos nossa maior consternação após a decisão" de destituir Dilma por parte do Senado, que, segundo o grupo, está "contaminado de corrupção" e deu "um golpe parlamentar", afirmaram os eurodeputados na carta datada de 1º de setembro e enviada à alta representante da UE para Política Externa, Federica Mogherini.

Agência Efe

Manifestação na paulista no domingo (04/09) pede saída do novo presidente do Brasil, Michel Temer


Para os signatários do documento, Dilma "não cometeu" o crime pelo qual é acusada e sua saída "afetará profundamente a construção de uma democracia inclusiva no Brasil e no conjunto da região".

"[O impeachment] terá efeitos desestabilizadores não só no curto prazo, mas também no longo prazo", disseram.

Polícia dispersou marcha pacífica, diz Reuters; imprensa repercute repressão da PM a protesto contra Temer

Presidente de El Salvador condena 'golpe suave' e diz estar disposto a reavaliar relações com Brasil

'Um golpe delinquente no Brasil', diz jornal peruano; imprensa do país critica impeachment de Dilma

 
Os parlamentares também pediram a Mogherini "não deixar passar isto por alto" e afirmaram que não se pode "recompensar a corrupção".

Dessa maneira, solicitaram que não prossiga a negociação de um acordo de associação com os países do Mercosul, no qual, além do Brasil, estão incluídos Argentina, Uruguai e Paraguai.

"Não podemos seguir negociando como se nada tivesse acontecido e o Senado brasileiro não houvesse orquestrado um ataque dramático à integridade da democracia institucional do país", disseram.

Nesse sentido, afirmaram que a União Europeia deve "falar claramente contra a ameaça à democracia no Brasil, rejeitar o golpe parlamentar e parar as negociações de um acordo de associação com o Mercosul", enquanto "os países-membros não estejam representados por governos chegados ao poder por procedimentos democráticos legais e não por manobras escandalosas".

*com Agência Efe
Share:

0 comentários:

Postar um comentário