FMI Conselho Executivo Conclui 2016 Consulta do Artigo IV com o Brasil

15 de novembro de 2016
  • A economia do Brasil emergindo da recessão, mas a recuperação permanece frágil e será gradual
  • estratégia orçamental programada do governo tem ajudado a aumentar a confiança e sentimento do mercado
  • São necessários esforços reformas estruturais, nomeadamente em matéria de política fiscal, mercado de trabalho e infra-estrutura para aumentar o crescimento a longo prazo
Em 31 de outubro de 2016, o Conselho Executivo do Fundo Monetário Internacional (FMI) concluiu as consultas do Artigo IV [1] com o Brasil. 
O governo que tomou posse em Maio 2016 anunciou uma série de medidas para resolver de longa data desequilíbrios orçamentais e da rigidez orçamentária. Um forte impulso para implementar as medidas propostas no lado da despesa que percorrer um longo caminho para restaurar a credibilidade da política e a confiança do mercado, com efeitos positivos sobre o investimento eo crescimento. A rápida implementação das medidas fundamentais de política fiscal ajudaria também as expectativas de inflação moderadas e facilitar a flexibilização da política monetária. 
O Brasil está prestes a emergir de uma recessão profunda. A economia contraiu acentuadamente em 2015 e 2016, reflectindo sobretudo de longa data questões domésticas, embora termos de mudanças comerciais e fraca demanda mundial também desempenhou um papel importante. Apertadas condições financeiras e de crédito desaceleração e incerteza em torno da cena política têm sido os principais fatores por trás da diminuição do investimento e do consumo, eo desemprego catraca. Um realinhamento acentuada de preços regulamentados e aperto da política monetária também representou um obstáculo ao crescimento. 
Título e o núcleo da inflação têm sido acima da meta central e próximo do limite superior do intervalo de tolerância do banco central durante vários anos. A política monetária tem correspondentemente permaneceu em seu nível atual apertado por mais de um ano. Mas em 2016, alguns aumentos de preços começaram a moderada, embora a desinflação prosseguiu lentamente devido ao objectivo acima referido, ainda que em declínio, as expectativas de inflação eo aumento dos preços dos alimentos. 
O Banco Central interveio no mercado de câmbio com menos frequência do que no passado e amplamente simetricamente, limitando medidas correctivas para conter a excessiva volatilidade de curto prazo. Aproveitando-se da recuperação do mercado iniciada em março de 2016, o banco central baixou o valor líquido do saldo de swaps cambiais para cerca de US $ 35 bilhões (a partir de uma alta de cerca de US $ 110 bilhões) através da emissão de swaps reversos e não para rolar swaps sobre vencimento . 
As reservas internacionais estão acima maioria dos indicadores de adequação e outros padrão do FMI e do IED financiado integralmente o déficit em conta corrente, que diminuiu de 4,3 por cento do PIB em 2014 para 3,3 por cento em 2015. posição externa do Brasil manteve-se, no entanto, moderadamente mais fraca do que o nível consistente com os fundamentos que reflecte a recente reversão da depreciação cambial ocorrida em 2015. 
A saúde do sector bancário deteriorou-se um pouco, mas permanece sólida: os rácios de capital globais do sistema caiu em 2015, mas permanecem bem acima dos mínimos regulamentares; risco de liquidez aumentou em 2015, mas o perfil de financiamento global do sistema manteve-se forte; exposições de financiamento externo são riscos de baixa e estrangeira de câmbio são em grande parte coberto; a rentabilidade diminuiu devido a um aumento nas provisões para créditos de liquidação duvidosa e custos de financiamento mais elevados;empréstimos inadimplentes (NPLs) têm aumentado gradualmente, mas manter-se moderado em 4,1 por cento. Os bancos permaneceram bem aprovisionado com provisões para perdas cobrindo 150 por cento de NPLs. No entanto, empresas não financeiras são alavancados e vulnerável. 
resultados fiscais têm sido decepcionantes. Em 2015 o déficit primário do setor público não financeiro atingiu 1,9 por cento do PIB eo défice global foi de 10,4 por cento do PIB. O défice primário em 2016 deverá chegar a 2,7 por cento do PIB, eo equilíbrio geral seria próximo ao observado em 2015. 
Desde Maio de 2016, o governo anunciou uma série de medidas para reforçar as políticas macro e restaurar a credibilidade. Notavelmente, o governo enviou ao Congresso uma emenda constitucional que limita o crescimento das despesas sem incidência de juros federal para a taxa de inflação de preços ao consumidor do ano anterior para os próximos 20 anos. O governo também anunciou uma reforma do sistema de segurança social, necessária em seu próprio direito e também necessário fazer o limite de despesas viável. 
técnicos do Fundo espera atividade para começar a se recuperar gradualmente, mas continuam fracos por um período prolongado. o crescimento da produção projeto equipe de -3.3 por cento em 2016 e cerca de ½ por cento em 2017. A projeção é baseada na suposição de o limite de gastos fiscal e da reforma da segurança social são aprovados num prazo razoável, e que o governo vai cumprir as metas fiscais propostas para 2016 e 2017. com essas melhorias na frente fiscal, e assumindo que a incerteza continua a diminuir, o investimento deverá continuar a recuperar, apoiando um retorno gradual para o início do crescimento sequencial positivo no final de 2016. as perspectivas estão sujeitas a riscos descendentes, incluindo o re -intensification de incertezas políticas (por exemplo, como resultado da evolução da investigação sobre corrupção) e riscos relacionados a um período prolongado de crescimento mais lento nas economias avançadas e emergentes, especialmente a China, novas quedas nos preços das commodities de exportação, e condições financeiras mais apertadas. 
Avaliação Conselho Executivo [2]
Directores Executivos concordaram que difícil situação económica do Brasil tinha resultado de vários fatores, incluindo erros passados ​​de política, a incerteza política e choques externos. A recessão tem reduzido o crescimento, elevado desemprego, e minou balanços públicos e privados. No entanto, a economia parece estar se estabilizando e as perspectivas no curto prazo foram para uma retomada gradual do crescimento económico. Olhando para a frente, Administração dado bastante ênfase à necessidade de consolidação orçamental para garantir a estabilidade e abrangentes reformas estruturais macroeconômicas para aumentar o crescimento potencial. 
Administração congratulou-se com a estratégia fiscal anunciada das autoridades observando que ele tinha ajudado a aumentar a confiança e sentimento do mercado. Eles apoiaram o foco no controle do crescimento das despesas, nomeadamente através da tampa de gastos federais proposto. Esta contenção das despesas podem precisar de ser complementada com medidas de receitas para atingir as metas fiscais, se a cobrança de receitas decepcionar no futuro. A maioria dos diretores observou os potenciais efeitos positivos de uma estratégia de consolidação orçamental frente carregados em custos de empréstimos, poupança, a confiança, a sustentabilidade da dívida e do crescimento médio prazo. Embora reconhecendo a necessidade de medidas de consolidação, uma série de outros Administração advertiu contra medidas mais frontais carregado até que o crescimento está em uma forte trajetória de recuperação. 
Administração sublinhou a necessidade de reforma dos regimes de segurança social, incluindo aqueles para os funcionários públicos em todos os níveis de governo, tendo em conta as tendências demográficas desfavoráveis ​​e grandes desequilíbrios atuariais. Eles enfatizaram a centralidade desta reforma para a viabilidade da tampa gastos federais. Administração também expressou preocupação sobre as finanças subnacionais, e encorajou as autoridades a continuar a desenvolver soluções duradouras, em coordenação com os estados. 
Os diretores observaram que a política monetária tinha sido devidamente calibrada, com a postura firme dos últimos dois anos justificadas pelas pressões inflacionárias fortes. Embora as condições para um ciclo de afrouxamento gradual estão tomando forma agora, com as expectativas de inflação convergindo em direção ao alvo, Administração recomendou que a política monetária deve permanecer relativamente apertado até progressos mais tangíveis no ajuste fiscal e reformas é feita e as expectativas de inflação se aproximar de inflação do banco central alvo. Administração congratulou-se com a intenção de reforçar a inflação do Brasil de metas, aumentando a autonomia do banco central e melhorar suas comunicações. 
Administração ressaltou que o sistema de taxa de câmbio e da reserva buffers flutuantes foram duas principais fontes de força para o Brasil e deve ser preservada. Congratularam-se com a redução da intervenção cambial, e recomendou que a intervenção no mercado ser limitado a suavização da volatilidade excessiva. 
Administração destacou que o sistema financeiro se manteve sólido em meio a recessão eo crescimento do crédito baixo e ver o espaço para tornar o sistema financeiro ainda mais robusto através do reforço da rede de segurança financeira.Administração sublinhou a necessidade de uma vigilância contínua e monitorização da saúde do setor empresarial e suas ligações com o sector bancário.
Administração recomenda fortemente que as autoridades intensifiquem os seus esforços de reformas estruturais para aumentar o crescimento a longo prazo, incluindo nas áreas de política fiscal, mercados de trabalho e infra-estrutura. Eles também destacaram a importância das reformas comerciais para aumentar a competitividade e eficiência. 
Administração elogiou o Brasil pela aplicação efectiva das medidas AML / CFT e encorajaram as autoridades a prosseguir as reformas. Eles observaram a necessidade de relatórios reforçado das estatísticas fiscais das empresas públicas, bancos públicos e as finanças dos estados, e encorajou as autoridades a monitorar e fazer cumprir as regras fiscais subnacionais.
Brasil: Indicadores Económicos e Sociais Selecionados
I. Indicadores Demográficos Social e

Área (milhares de metros quadrados. Km)
8512


Saúde


terras agrícolas (percentagem da área terrestre)
31,2


Médico por 1000 pessoas (2013)
1.9

População



leitos hospitalares para cada 1000 pessoas (2012)
2.3

Total (milhões) (est., 2015)
204,5


Acesso à água potável (2015)
98,1

Taxa anual de crescimento (por cento, de 2015)
0,8


Educação


Densidade (per sq. Km.) (2012)
24,0


taxa de analfabetismo adulto (2014)
8.3

Taxa de desemprego (média de 2016)
11,6


taxas líquidas de matrícula, por cento em:


características da população (2014)



O ensino primário (2014)
99

A esperança de vida à nascença (anos)
75


ensino secundário (2014)
84

A mortalidade infantil (por mil nascidos vivos)
15


Taxa de pobreza (em percentagem, 2013)
15.1

A distribuição de renda (2014)



PIB (2015)



R $ 5.904 bilhões

Por mais de 10 por cento dos agregados familiares
40,9





US $ 1.773 bilhões

Ao menor de 20 por cento dos agregados familiares
3.6


PIB per capita (est., 2015)

US $ 8 bilhões

coeficiente de Gini (2014)
51,8




















Principais produtos de exportação: aviões, produtos metalúrgicos, soja, automóveis, produtos eletrônicos, minério de ferro, café e óleo.

II. Indicadores econômicos






Proj.




2014
2015
2016
2017
2018
2019
2020
2021

As contas nacionais e preços
                (Variação percentual anual)

PIB a preços correntes


7
3.8
4.4
6.6
6.9
7.2
7.1
7.1

PIB a preços constantes


0,1
-3.8
-3.3
0,5
1,5
2.0
2.0
2.0

   Consumo


1.3
-3.4
-4.1
-0.4
0,6
0,8
1.0
1.1

   Investimento


-5.6
-22.6
-11.3
4.6
5.1
7.1
6.1
5.5

índice de preços ao consumidor (IPCA, final do período)


6.4
10,7
7.2
5
4.8
4,5
4,5
4,5



                (Em percentagem do PIB)


O investimento interno bruto


21,0
19.2
18.4
18,9
19,4
20.1
20,7
21.3

   Setor privado


18,6
17,3
17,0
17,4
17,9
18,7
19.2
19,7

   Setor público


2.4
1.9
1.4
1,5
1.6
1,5
1,5
1.6

poupança nacional bruta


16,7
15,9
17,6
17,4
17,7
18,3
19,0
19,5

   Setor privado


20.2
24.1
26,5
25,3
24.2
23.9
23,8
23,7

   Setor público


-3.5
-8.2
-8.9
-7.8
-6.5
-5.6
-4.8
-4.2

finanças do setor público
                (Em percentagem do PIB)

saldo primário do governo central 1 /


-0.4
-2.0
-2.7
-2.4
-1.7
-0.9
-0.2
0,4

NFPS saldo primário


-0.6
-1.9
-2.7
-2.3
-1.3
-0.5
0,1
0,8

NFPS equilíbrio global


-1.5
-1.7
-1.6
-1.4
-0.8
-0.3
0,1
0,8

NFPS equilíbrio global (incl. Empréstimos para políticas de líquido)


-7.0
-10.4
-10.5
-9.5
-8.2
-7.2
-6.2
-5.9

A dívida líquida do setor público


33.1
36.2
45,9
50,9
54,1
56,8
59,7
62,5

GG dívida bruta (definição das autoridades)


57,2
66,5
...
...
...
...
...
...

A dívida bruta NFPS


63,3
73,7
78,4
82,9
85,7
88,2
90,9
93,5

   Dos quais: moeda estrangeira vinculada


3.4
4.6
3.8
3.7
3.7
3.6
3.6
3,5

Moeda e do Crédito
                (Variação percentual anual)

A base monetária 2 /


-4.5
8.4
4,5
6,7
6.9
7.2
7.1
7.1

monetário largo 3 /


13,5
9.8
5.8
9,6
10.0
10.6
13,6
14,4

Os empréstimos bancários ao sector privado


10,9
3.6
1.2
5.6
9.3
11,4
12.0
12,6

Balança de pagamentos
                (Em bilhões de dólares dos EUA, salvo indicação em contrário)

Balança comercial


-6.6
17,7
48,5
48,6
47,3
46,5
49,2
51,9

   exportações


224,1
190.1
197,6
206,7
210,9
215,7
224,8
233,6

   importações


230,7
172,4
149,1
158,1
163,6
169,2
175,7
181,8

Conta corrente


-104,2
-58,9
-14,7
-29,5
-34,9
-38,6
-39,9
-41,2

conta de capital e financeira


100,8
55,2
14,7
29,5
34,9
38,6
39,9
41,2

   O investimento estrangeiro direto (líquido)


70,9
61,6
61,8
56,7
53,1
50,8
49,2
47,7

Os termos de troca (variação percentual)


-3.4
-11.0
3.2
-2.5
-2.9
-2.4
-0.7
-0.5

As exportações de mercadorias (em US $, pct anual. mudança)


-7.2
-15,2
3.9
4.6
2.0
4.4
6.6
3.9

As importações de mercadorias (em US $, pct anual. mudança)


-4.3
-25,3
-13.5
6
3,5
7
7,4
3,5

A dívida externa total (em percentagem do PIB)


29,5
37,5
38,4
35,3
34,4
33.1
31,7
30,2

Rubricas por memória











conta corrente (em percentagem do PIB)


-4.3
-3.3
-0.8
-1.5
-1.7
-1.8
-1.8
-1.8

As reservas oficiais brutas


363,6
356,5
369,3
369,3
369,3
369,3
369,3
369,3

TCER (média anual, em pct mudar;.. Apreciação +)


-1.0
-15,8
...
...
...
...
...
...
   Fontes: Banco Central do Brasil; Ministério da Fazenda; IPEA; e técnicos do Fundo estima.
   1 / Inclui o governo federal, o banco central eo sistema de segurança social (INSS). Com base no projecto de orçamento 2016, anúncios recentes por parte das autoridades, e projecções dos especialistas.
   2 / Moeda emitido mais necessário e reservas livres sobre depósitos à vista mantidos no banco central.
   dinheiro 3 / base acrescido de vista, a prazo e depósitos de poupança.                              

[1] Nos termos do artigo IV do Convênio Constitutivo do FMI, o FMI mantém discussões bilaterais com membros, normalmente a cada ano. Uma equipa de técnicos visita o país, recolhe informações económicas e financeiras e discute com os desenvolvimentos e políticas oficiais do país económicos. No retorno à sede, a equipe prepara um relatório, que forma a base para a discussão pelo Conselho Executivo.
[2] No final da discussão, o Director-Geral, como Presidente do Conselho, resume os pontos de vista dos Directores Executivos e este resumo é encaminhado às autoridades do país. Uma explicação de quaisquer qualificadores utilizados no summings up pode ser encontrada aqui:http://www.imf.org/external/np/sec/misc/qualifiers.htm .
FMI Departamento de Comunicação
RELAÇÕES COM A MÍDIA
ASSESSOR DE IMPRENSA: RAPHAEL ANSPACH
TELEFONE:  +1 202 623-7100 E-MAIL: MEDIA@IMF.ORG
tradução literal