20 de nov de 2016

Quarta Revolução Industrial, as tecnologias e os impactos por Silvia Ribeiro em seu blog

Quarta Revolução Industrial, as tecnologias e os impactos

Foto principal: 
Silvia Ribeiro *
De acordo com o mais rico e poderoso do planeta, a quarta revolução industrial já está em andamento e é o resultado da convergência da robótica, tecnologias de nanotecnologia, biotecnologia, informação e comunicação, inteligência artificial e outros. O Fórum Econômico Mundial, que se reúne anualmente em Davos as maiores empresas do mundo, produziu em 2016 um relatório afirma que a tempestade perfeita de mudança tecnológica com o que assepticamente chamada factores socioeconómicos de 2020 serão perdidos 5000000 emprego, mesmo contando os novos serão criados pelas mesmas razões.
Se eles falam de uma perda de 5 milhões de postos de trabalho, eles vão certamente ser muitos mais. E é apenas um dos impactos desta revolução tecnológica, que é não definido por cada uma dessas tecnologias em isolamento, mas pela convergência e sinergia entre eles. Nomeado entre os 10 principais tecnologias - e engenharia de sistemas metabólicos mais disruptivas- a produzir substâncias industriais (leia biologia para substituir os combustíveis sintéticos, plásticos, fragrâncias, aromas, ingredientes farmacêuticos ativos derivados do conhecimento indígena); Internet de nano-coisas (além de usar Internet para a produção industrial, agrícola, etc., também nano-sensores incorporados nos seres vivos, incluindo nossos corpos, para capturar e receber estímulos e administração de medicamentos e produtos farmacêuticos); ecossistemas abertos de inteligência artificial (integrar máquinas com inteligência artificial para a Internet das coisas, redes sociais e de programação aberto, com o potencial de mudar radicalmente a nossa relação com as máquinas e entre eles) e vários outros, como novos materiais para armazenar energia, materiais nano-dimensional, e veículos autônomos não tripulados ( drones  de todos os tipos com maior autonomia), optogenética (geneticamente células vivas que reagem a ondas de luz), órgãos humanos produzir chips eletrônicos.

Em 2000, a partir de chamada Grupo ETC este BANG convergência (Bits, Átomos, Neurociências, Genes), uma espécie de Big Bang tecno-sócio-económica, mais conhecido como Rapidinha porque as tecnologias para nano-escala (aplicado aos seres vivos e materiais) são a plataforma de desenvolvimento de todos os outros. Então nós encaramos este pequeno Bang, foi a formação de um tsunami tecnológico que teria impactos negativos de grande ambiental, saúde, trabalho; produção de novas armas para a guerra, vigilância e controle social de todos, entre outros. Tudo em um contexto de maior concentração empresarial da era industrial, oligopólios com menor número de empresas que controlam grandes setores de produção e tecnologias.
Isso está acontecendo, mas para cada um de nós separadamente é difícil de perceber em elementos e dimensões de seus impactos complementares. Os governos, principalmente controladas por interesses corporativos e o mito de que os avanços tecnológicos são benéficas em si mesmas, não deixaram quase todas estas tecnologias continuam, usado, vendido, eles estão se espalhando no meio ambiente e em nossos corpos, mesmo sem o mínimo avaliações de possíveis impactos negativos e não regulamentada, e muito menos a aplicação do princípio da precaução. Um exemplo claro é a indústria da nanotecnologia, com mais de 2.000 linhas de produtos nos mercados, muitos presentes em nossa vida diária (alimentos, cosméticos, produtos de higiene, produtos farmacêuticos) não é regulamentado em qualquer lugar do mundo, embora aumentar a estudos científicos que mostram toxicidade no ambiente e na saúde, especialmente para os trabalhadores expostos na produção e utilização de materiais com nanopartículas.

Mas o Fórum de Davos em si prepara um relatório anual detalhado sobre os riscos globais, porque esses riscos afectam o seu capital e investimento. Na edição de 2015 dizem Estabelecer novas competências básicas está ocorrendo, por exemplo, a biologia sintética e inteligência artificial, é particularmente associada com riscos que não podem ser totalmente avaliadas em laboratório. Uma vez que o génio é fora da garrafa, não há a possibilidade de que são feitas aplicações indesejáveis ​​ou efeitos que não poderiam ser previstos no momento da sua invenção ocorrendo. Alguns destes riscos pode ser existencial, ou seja, colocando em risco o futuro da vida humana. A confissão de testes de peças de relé. Mas embora reconheçam, eles não vão tomar qualquer medida que restrinja os seus lucros.
Neste contexto, há alguns anos, estamos trabalhando em conjunto com outras organizações, movimentos sociais e associações de cientistas críticos, na construção de uma rede de avaliação social e Tecnologia Action Network (KEY) para procurar por um lado, para informar e entender o horizonte tecnológico, as suas ligações, impactos e implicações de muitas perspectivas (ambiente, saúde, ciência, sexo, trabalho, consumo) e nos fortalecer para agir sobre eles.
Para avançar estas ideias e questionamentos da ciência e tecnologia no serviço do lucro, com experiências concretas de vários países latino-americanos, o seminário internacional em ciência, tecnologia e poder usado : pontos de vista críticos em 8 de Novembro, das 9h30 às 14 horas, na Biblioteca Nacional, Cidade Universitária, organizado pela Rede KEY, a União das Preocupados cientistas com a Companhia eo Grupo ETC ( www.etcgroup.org/es ). Temos que apropriado, a partir de baixo, consideração e ação sobre estas questões.
* Investigação ETC Group
Publicado em La Jornada , México, 29 de outubro de 2016.

0 comentários:

Postar um comentário

 
Copyright © . ODTUR - Otavio Demasi: Turismo e Políticas Públicas - Posts · Comments
Theme Template by BTDesigner · Powered by Blogger