14 de nov de 2016

Rússia, China e Arábia Saudita põem em cheque a hegemonia do dólar . Editor - esse dominio do dolar desde o fim da segunda guerra mundial, torna-se hoje insustentável.



Rússia, China e Arábia Saudita põem em cheque a hegemonia do dólar

Nos últimos meses, os países emergentes tinham vendido um imenso lote de títulos do Tesouro dos EUA, principalmente a Rússia, a China e a Arábia Saudita. Além disso, para se proteger de flutuações violentas do dólar, os bancos centrais de vários países adquiriram grandes quantidades de ouro para diversificar suas reservas de moeda. Em resumo, a ofensiva global contra o dólar explodiu através da venda maciça de dívida dos EUA e, em paralelo, a compra maciça de metais preciosos.

 | CIDADE DO MÉXICO (MÉXICO)  
+


JPEG - 39.5 kb
A supremacia de Washington no sistema financeiro global sofreu um tremendo golpe em agosto: Rússia, China e Arábia Saudita venderam títulos do Tesouro dos EUA estimados em US$ 37,9 bilhões de dólares, de acordo com a última atualização dos dados oficiais publicados há poucos dias [1]. Do ponto de vista geral, os investimentos globais em dívida do governo dos Estados Unidos estão em seu nível mais baixo desde julho de 2012. Claramente, o papel de moeda de reserva mundial do dólar ainda é questionada.
Em 2010, o almirante Michael Mullen, chefe do Estado Maior Conjunto dos EUA, advertiu que a dívida era a principal ameaça à segurança nacional [2]. Em minha opinião, não é tanto a elevada dívida pública (mais de US$ 19 trilhões [3]) para evitar que a economia dos EUA entre em colapso, mas para Washington é crucial garantir um enorme fluxo de recursos estrangeiros todos os dias, para cobrir os déficits gêmeos (comércio e orçamento); que é para o Departamento do Tesouro uma questão de vida ou morte para vender títulos de dívida no mundo e assim financiar as despesas dos EUA.
Lembre-se que o colapso do Lehman Brothers em setembro de 2008, o Banco da China tem estado sob enorme pressão de Ben Bernanke, então presidente do Federal Reserve (Fed), não vende os títulos de dívida dos EUA. Na primeira, os chineses decidiram manter o dólar. No entanto, desde então, por duas vezes, o Banco Central Chinês tem evitado comprar outros títulos norte-americanos e, ao mesmo tempo, iniciou um plano para diversificar suas reservas cambiais.
Beijing compra ouro maciçamente nos últimos anos, assim como o banco central da Rússia. No segundo trimestre de 2016, as reservas de ouro do Banco da China atingiram 1.823 toneladas contra 1.762 toneladas registrados no último trimestre de 2015. A Federação Russa aumentou as reservas de ouro de cerca de 290 toneladas entre dezembro de 2014 e junho de 2016, fechando o segundo trimestre deste ano com um total de 1.500 toneladas.
Confrontados com os choques brutais do dólar é crucial para comprar ativos mais seguros como o ouro que, em tempos de instabilidade financeira grave, atua como um porto seguro. Assim, a estratégia de Moscou e de Pequim para vender títulos do Tesouro dos EUA e comprar ouro, é seguida por muitos países. Como estimado pelo Fundo Monetário Internacional (FMI), as reservas de ouro dos bancos centrais ao redor do mundo já atingiu o máximo dos últimos 15 anos, registrando, assim, no início de outubro um volume de cerca de 33.000 toneladas [4].
A Geopolítica faz a sua parte na formação da nova ordem financeira global. Após a imposição de sanções económicas ao Kremlin, a partir de 2014, a relação com a China tem tido grande importância para os russos. Desde então, as duas potências aprofundaram os laços em todos os campos, de economia e finanças para a cooperação militar. Além disso, garantindo o fornecimento de gás para a China para as próximas três décadas, o presidente Vladimir Putin construiu com o homólogo Xi Jinping uma aliança financeira poderosa que busca acabar de uma vez por todas para o domínio da moeda norteamericana.
Atualmente, os hidrocarbonetos que Moscou vende à Pequim são pagos em yuan, não dólares. Assim, a "moeda do povo" os ("RMB" em chinês) emerge gradualmente para o mercado mundial de hidrocarbonetos com o comércio entre a Rússia e a China, países que, na minha opinião, levam a construção do sistema monetário multipolar.
A grande novidade é que a corrida para desdolarizar a economia global juntou à Arábia Saudita, um país que há décadas é um aliado ferrenho da política externa de Washington.
Surpreendentemente, nos últimos 12 meses, foi executado por Riad a venda de mais de US$ 19 bilhões investidos em títulos do Tesouro dos Estados Unidos, com a China a tornar-se um dos principais vendedores de dívida dos EUA [5]. Para piorar a situação, o reino saudita se enfurece mais e mais com a Casa Branca.
No final de setembro, o Congresso dos EUA aprovou a eliminação do veto do presidente Barack Obama a uma lei que permite os EUA de denunciar a Arábia Saudita num tribunal por alegado envolvimento nos ataques de 11 de Setembro de 2001 [6]. Juntos, a Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP) chegou a um acordo histórico com a Rússia para reduzir a produção de petróleo e, assim, promover o aumento dos preços [7].
É também surpreendente que agora Pequim abriu a troca direta entre o yuan e o Rial saudita através da China Sistem Foreign Exchange Trading (CFETS, na sigla em Inglês [8]) para transações entre as duas moedas, sem passar pelo dólar. Portanto, é muito provável que, mais cedo ou mais tarde, a companhia de petróleo Aramco saudita aceite pagamentos em yuan em vez de dólares . Se isso acontecer, a Casa de Saud apostaria tudo no petroyuan [9]. O mundo está mudando diante de nossos olhos.
Tradução
João Aroldo
Tradutor freelance para sites como Rede Voltaire, Redecastorphoto e Tlaxcala. 

0 comentários:

Postar um comentário

 
Copyright © . ODTUR - Otavio Demasi: Turismo e Políticas Públicas - Posts · Comments
Theme Template by BTDesigner · Powered by Blogger