28 de fev de 2017

Saiba aqui quem é Sandro Mabel, o ex-deputado rico que inventou o PL 4330 em 2004 - Adendo Mabel, assessor de Temer, tem empresa no prédio da Stargate, de Yunes, no Brasil247.com (28-02-17)

Saiba aqui quem é Sandro Mabel, o ex-deputado rico que inventou o PL 4330 em 2004

Não é de graça que o PL 4330 foi proposto e pensado pelo deputado Sandro Mabel. Histórico do PMDB, ele cumpriu quatro mandatos, eleito sucessivamente por eleitores de Goiás. Em seu currículo, constam apoios de grandes empresários como o Júnior da Friboi e, mais recentemente, precisamente no ano passado, ele declarou que não ia mais concorrer a nenhum cargo político depois de sair do PMDB e ir para o PR.
Ele é dono da empresa alimentícia Biscoitos Mabel. Portanto tem interesse em terceirizar os trabalhadores, reduzindo custos e aumentando o lucro.  Portanto a terceirização, que torna os trabalhadores escravos, é uma proposta feita pelos patrões para retirar nossos direitos. É dele também a propaganda enganosa sobre os benefícios da terceirização. Desde que propôs o PL 4330 em 26 de outubro de 2004, ele diz que a terceirização vai aumentar o número de empregos e modernizar as relações trabalhistas. É mentira. Vai rasgar a carteira de trabalho, acabar com 13º salário e com todos os direitos que conquistamos com muita luta ao longo da história dos trabalhadores.
Não por acaso a atual formação da Câmara dos Deputados conseguiu 324 votos para aprovar o texto-base do PL 4330 na sessão de 8 de abril, em Brasília. Estamos diante do maior ataque aos direitos do trabalhador brasileiro desde que a CLT foi promulgada pelo presidente Getúlio Vargas, em 1943. Mabel foi denunciado por participação no esquema do bicheiro Carlos Cachoeira. Quem sabe a sua “saída” da candidatura ns eleições do ano passado não tenham alguma relação.
Por isso defendemos a reforma política, com o fim do financiamento público de campanha. Assim, teremos uma chance maior de ampliar a representação dos trabalhadores e reduzir o poder dos ladrões de direito. As eleições de 2014 consagraram uma formação nos parlamentos muito conservadora. O presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), recebeu R$ 6,8 milhões de banqueiros e grandes empresários. Por isso se empenha muito para aprovar a terceirização. Precisa pagar a fatura do investimento em sua campanha aos patrões.
Mabel não votará e nem participa das votações do Projeto de Lei da terceirização. E nem precisa. Seu legado nefasto assustou os trabalhadores. A ponto de reagirmos com firmeza e unidade com grandes atos pelo país no Dia Nacional de Paralisação contra o PL 4330, em 15 de abril. Bancários da base do SindBancários  paralisaram total ou parcialmente 75% das agências.
Em 2012, o sítio Brasil 247 fez um perfil de Mabel a partir da informação de que ele era o quinto parlamentar brasileiro mais rico entre os políticos. Confira abaixo a íntegra desta reportagem ou aqui e o motivo pelo qual nada acontece por acaso em política. Eles são patrões ou representam. Vão sempre nos negar direitos ou tentar nos escravizar.

Entre os mais ricos do Congresso, Sandro Mabel enfrenta denúncia
Levantamento mostra que goiano possui a 5ª maior fortuna entre os parlamentares, R$ 70 milhões; dossiê encaminhado pela AGU à CPMI do Cachoeira denuncia susposto esquema de favorecimento em licitações de obras em rodovias federais de Goiás; deputado diz que não comenta documento apócrifo

Levantamento mostra que o deputado federal goiano Sandro Mabel (PMDB) está entre os cinco parlamentares mais ricos do País. Na frente de Paulo Maluf, o peemedebista se destaca com R$ 70 milhões declarados. Em novembro do ano passado, a família de Mabel vendeu para a PepsiCo a Mabel, uma das maiores fabricantes de biscoitos do país. O negócio girou em torno de R$ 800 milhões, segundo informou o jornal Valor Econômico.
O deputado federal João Lyra (PTB-AL) é o mais rico da lista (abaixo) e tem um patrimônio de R$ 240,3 milhões. Blairo Maggi (PR-MT) é outro que não precisa se preocupar com dinheiro: entre os bens do senador, o destaque maior fica por conta de uma casa de 600 m² que custa R$ 4,3 milhões.
Alfredo Kaefer (PSDB-PR) e Newton Cardoso (PMDB-MG) são outros dois parlamentares ricos que integram o Congresso Nacional e que estão à frente de Mabel em termos de patrimônio, mas não muito longe.
Dossiê
No entanto, nem tudo são flores para o Mabel. Conforme o Portal IG, um dossiê em mãos da CPMI do Cachoeira acusa o deputado goiano de ter recebido R$ 37 milhões com a “venda” de licitações na área de infraestrutura de transporte em Goiás. O esquema, denominado no dossiê de “cachoeira de donativos”, envolveria 15 empresas, funcionários do Ministério do Planejamento, a Federação das Indústrias de Goiás (Fieg) e a superintendência do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit) de Goiás.
O parlamentar peemedebista seria o articulador de uma bancada federal que facilitaria o acesso de empresários interessados às obras do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC). Em resposta às acusações que poderão ser apuradas, Sandro Mabel tem dito que não vai se pronunciar sobre dossiês apócrifos.
O documento não assinado foi entregue pelo Movimento Brasil Ficha Limpa à AGU, que o protocolou e encaminhou ao presidente da CPMI do Cachoeira, senador Vital do Rêgo (PMDB-PB). A reportagem do iG procurou pelos representantes do Movimento Brasil Ficha Limpa, mas o único contato que consta no site da entidade é uma caixa postal em Brasília.
Apesar da autoria do dossiê não estar clara, o teor do documento foi divulgado pelo senador Randolfe Rodrigues (PSOL-AP), durante depoimento à CPMI do ex-diretor nacional do Dnit, Luiz Antônio Pagot. “Esse documento passa a ser uma peça importante para a CPI”, disse Randolfe ao IG.
O dossiê chegou primeiro às mãos de Pagot. “Há uma questão de 21 dias recebi esse documento apócrifo com esse teor”, afirmou o executivo ontem ao iG, sem confirmar se as denúncias são verdadeiras. Mas indica que as acusações são “coerentes”. Ele recomenda o “aprofundamento da investigação”
Segundo o senador Randolfe, o dossiê contém “informações que servem de roteiro para investigação”. “Vou encaminhá-lo para o procurador que está cuidando do Caso Cachoeira e, como envolve pessoas com foro privilegiado, também enviarei ao procurador-geral da República”, diz.
O deputado Odair Cunha (PT-MG), relator da CPI, já recebeu uma cópia do documento e está analisando. Segundo sua assessoria, ele deverá encaminhá-lo para o Ministério Público apurar as denúncias.
Abaixo o patrimônio dos parlamentares mais ricos:
João Lyra (PTB-AL)
2006: R$ 235,6 milhões
2010: R$ 240,3 milhões
Crescimento de 2%
O deputado é dono de uma empresa de taxi aéreo, sua participação na Lug Taxi é de R$ 15 milhões. Ele também tem dez fazendas que, juntas, valem R$ 4 milhões.      
Blairo Maggi (PR-MT)
2006: R$ 33,4 milhões
2010: R$ 152,4 milhões
Crescimento de 356%
Entre os bens do senador, o destaque é uma casa de 600 m² que vale R$ 4,3 milhões.   
Alfredo Kaefer (PSDB-PR)
2006: R$ 72 milhões
2010: R$ 95,7 milhões
Crescimento de 33%
A maior parte do patrimônio do deputado está investida em empresas. Ele tem participação em 11. A principal delas, com R$ 42,5 milhões, é o Grupo Diplomata S/A, uma das cem maiores companhias do agronegócio nacional, segundo ranking de 2008 da revista Exame.
Newton Cardoso (PMDB-MG)
2006: R$ 12,7 milhões
2010: R$ 77,9 milhões
Crescimento de 513%
O deputado tem nove carros populares, dois Ford Ka e 7 Gols. Mas a menina dos olhos é o Lincoln Navigator, avaliado em R$ 197 mil.
Sandro Mabel (PR-GO)
2006: R$ 69,8 milhões
2010: R$ 70,9 milhões
Crescimento de 1,6%
O deputado tem participação em 16 empresas. Na principal delas, a Sanser Administração e Participações, sua parte corresponde a R$ 28 milhões.
Paulo Maluf (PP-SP)
2006: R$ 38,9 milhões
2010: R$ 39,4 milhões
Crescimento de 1,3%
Apesar do crescimento em seu patrimônio de 2006 para 2010, a fortuna do deputado Paulo Maluf vem caindo ao longo do tempo. Em 2000, quando ele se candidatou a prefeito de São Paulo, seus recursos somavam R$ 74,9 milhões. Naquela época, sua casa na rua Costa Rica, em um bairro nobre da capital paulista, foi declarada por R$ 4,7 milhões. Nas eleições do ano passado, ela foi declarada por R$ 1,3 milhão.       
Eunício Oliveira (PMDB-CE)
2006: R$ 25,6 milhões
2010: R$ 36,7 milhões
Crescimento de 43%
O senador é dono de um Mercedes avaliado em R$ 160 mil. Mas a maior parte de sua fortuna está distribuída entre seus 80 imóveis rurais – como fazendas e sítios, avaliados em R$ 8,2 milhões – e participação em empresas. Na principal delas, que trabalha com vigilância e transporte de valores, ele é dono de R$ 7,7 milhões.
Reinaldo Azambuja (PSDB-MS)
2006: R$ 20,2 milhões
2010: R$ 31,9 milhões
Crescimento de 58%
Uma das fazendas do deputado tem nada menos do que 1.041 hectares, ou 10,4 milhões de metros quadrados, e é avaliada em R$ 10,4 milhões.
Ivo Cassol (PP-RO)
2006: R$ 15,4 milhões
2010: R$ 29,8 milhões
Crescimento de 93%
Carros, o senador declarou três. O mais caro é um Hilux SW4, que custa R$ 155 mil. Do ramo elétrico, ele é dono de um capital de R$ 20 milhões da Hidrossol Hidroelétricas Cassol.
Eduardo Braga (PMDB-AM)
2006: R$ 4,1 milhões
2010: R$ 16,4 milhões
Crescimento de 300%
Apesar de investir em terrenos e ser dono de um Mercedes avaliado em R$ 295 mil, o senador Eduardo Braga é o tipo de milionário investidor. Só em um de seus sete fundos de investimentos, ele acumula R$ 5,3 milhões.
http://www.sindbancarios.org.br/saiba-aqui-quem-e-sandro-mabel-o-ex-deputado-rico-que-inventou-o-pl-4330-em-2004/
ADENDO DO DIÁRIO DA MANHA no link
https://impresso.dm.com.br/edicao/20161222/pagina/21/conteudo/opiniao/2016/12/claudia-marques-scodro-a-generosa-dama-de-vermelho.html
Título da matéria - Coluna 21 de Jota Maoe - Claudia Marques Scodro - a generosa dama de vermelho.  Após discorer sobre a pessoa e outros quesitos, abre parágrafo
autor Jota Maoe escrevendo - Hoje o fiel  e super bem sucedido empresário Sandro Scodro Mabel - talvez seja hoje a figura mais próxima do nosso guerreiro presidente Michel Temer - paulistano tradicional (nascido em Tietê-interior de SP-editor) e cedro do Líbano de valor inquebrantável - que está reconstruindo passo a passo um Brasil melhor.  Segue a matéria....
O que se depreende que essa amizade já vem de a muito.

Editor - O país Líbano, são os pais do GOLPISTA, que nada tem a ver, pois é um país que tem vínculos com o Brasil e nada tem a ver com  o GOLPE E FALCATRUAS do sr. MIchel Temer.

0 comentários:

Postar um comentário

 
Copyright © . ODTUR - Otavio Demasi: Turismo e Políticas Públicas - Posts · Comments
Theme Template by BTDesigner · Powered by Blogger