26 de mar de 2017

A origem negra do tango.por Francilene Martins - Editor- a guerra do Paraguai, onde os exércitos do Paraguai,Uruguai e Brasil, tiveram presença massiva de negros escravos, branquificou os dois países e o estado do Rio Grande do Sul.

Quando você visita Wikipedia em Português e busca a palavra "tango" você encontra um silêncio curioso. A explicação extensa e detalhada da origem histórica da música e da dança que tem caracterizado o Rio da Prata ignora absolutamente as raízes africanas, que obviamente ele contém, tanto em seu nome como na sua estrutura musical.
O pesquisador argentino Nestor Oderigo Ortiz (1914-1996), que iniciou os estudos africanos aqui na Argentina descreve, em seu Dicionário africano em espanhol do Rio da Prata (UNTREF, 2007) que a palavra "tango" é uma deformação o nome de Xangô, orixá do trovão e tempestades e patrono da música, para os iorubas da Nigéria.
O escritor uruguaio Vicente Rossi (1871-1945) foi o primeiro estudioso da música do Rio da Prata a sustentar com firmeza que a palavra já aparece em 1808, pedindo ao governador a proibição do “tango dos negros”, referindo-se aos locais onde a população de ascendência africana se reuniram para celebrar suas festas.
2889f5a92ce564eba4a9eab1bc59eda3
Esta ideia gerou uma resistência aos amantes brancos do tango. Seu livro Cosas de Negros, publicado em 1926 com várias edições até hoje. É o texto inicial das investigações sobre a reza africana no Rio da Prata. Ainda que Rossi desconhecia as línguas africanas e atribui a palavra “tango “um origem que imita ao som, durante todo o século XIX palavra esteve intimamente relacionada com a  cultura da população africana. Da mesma maneira a “milonga” - um sub gênero da música prótese com uma origem camponesa – uma palavra em  kimbundu, formada por o prefixo “mi” y “longa”, significa palavras, querem dizer " latitude de palavras", " palavras vazias", " disputas de palavras. Milonga a terminado por converter-se em sinônimo de baile ou de lugar para dançar.
Os brasileiros que conhecem e aproveitam da dança do tango (que são cada vez más) entendem o sentido da pergunta “A que milonga vamos esta noite” . A resposta poderá ser " segundo os dias da semana á milonga de La Ideal "segunda -feira, na quarta del Canning,  Niño Bien na sexta-feira, legendaria de Sunderland.
A população africana em Buenos Aires diminui drasticamente como consequência tanto das Guerras de Independência -os africanos sempre foram excelentes guerreiros- e da peste de febre amarela que castigou a cidade em 1871. Também   a sofrido uma  invisibilização sistemática por parte do sistema oficial. No entanto, o tango e a milonga continuam sendo a marca clara da importância cultural que os africanos de origem escravizada tiveram   e tem no Rio Prata.
Francilene Martins
Jornalista, ativista negra, residente de Buenos Aires onde conclui seu doutorado. Escreve semanalmente para a Revista Raça sobre a presença negra na América Latina.
http://revistaraca.com.br/a-origem-negra-do-tango/?#raca

0 comentários:

Postar um comentário

 
Copyright © . ODTUR - Otavio Demasi: Turismo e Políticas Públicas - Posts · Comments
Theme Template by BTDesigner · Powered by Blogger