2 de mar de 2017

Em Washington, manifestante pergunta se senador Aloysio Nunes foi aos EUA 'buscar apoio para golpe'. - Editor - O ex-comunista (não há coisa pior do ser ex), que virou GOLPISTA E ENTREGUISTA DO PSDB, AGORA SE SANGRARÁ COM A PRÓPRIA LINGUA

Em Washington, manifestante pergunta se senador Aloysio Nunes foi aos EUA 'buscar apoio para golpe'


Em entrevista à 'BBC Brasil', Nunes (PSDB-SP) afirmou que 'já existe algo sendo esboçado' sobre aproximação com os EUA caso Dilma sofra impeachment
Um grupo de manifestantes protestou nesta terça-feira (19/04) em Washington, capital dos Estados Unidos, contra o senador Aloysio Nunes (PSDB-SP), que realiza encontros com autoridades norte-americanas para tratar sobre o processo de impeachment da presidente brasileira, Dilma Rousseff.
Reprodução/YouTube

Senador Aloysio Nunes (PSDB-SP), que realiza encontros com autoridades dos EUA, foi alvo de protesto em Washington nesta terça-feira
“O senhor está aqui buscando apoio para um golpe no Brasil?”, perguntou uma das manifestantes ao senador, que negou e afirmou ser “a favor da democracia”. Sob gritos de “não vai ter golpe”, Nunes disse: “vai ter impeachment, vocês estão perdidos, você e a tua turma do PT”. “Não é por partido, é pela democracia”, disse a manifestante a que o senador se dirigiu.
Em frente a um prédio onde Nunes possuía um compromisso previsto em sua agenda, as manifestantes seguraram cartazes com os dizeres “No coup in Brazil” (“Não ao golpe no Brasil”). No vídeo do protesto, o senador aparece acompanhado pelo ex-ministro das Relações Exteriores do Brasil Luiz Alberto Figueiredo (2013-2015).
Nesta segunda-feira (18/04), um dia após a aprovação na Câmara dos Deputados do prosseguimento do processo de impeachment para o Senado, Nunes iniciou uma visita aos EUA na qual possui encontros agendados com autoridades como senadores e o subsecretário de Assuntos Políticos do Departamento de Estado norte-americano e ex-embaixador dos EUA no Brasil, Thomas Shannon.
Candidato em 2014 a vice-presidente da República pela chapa de Aécio Neves e atual presidente da Comissão de Relações Exteriores e Defesa Nacional do Senado, Nunes falou, em entrevista à BBC Brasil publicada nesta terça-feira, que “já existe algo sendo esboçado” sobre uma aproximação com os Estados Unidos caso Dilma seja impedida.

Rússia nega que míssil que abateu voo MH17 tenha sido lançado de áreas separatistas da Ucrânia

Encontro com Kabengele Munanga aborda trajetória do antropólogo congolês; assista

Ataque saudita a hospital no Iêmen foi 'injustificado', diz MSF em relatório sobre bombardeios


De acordo com o senador, a visita aos EUA coincidiu com a votação do impeachment na Câmara dos Deputados. Ao ser perguntado se o vice-presidente Michel Temer havia pedido para que ele fosse aos EUA, Nunes disse: “Isso é um delírio completo. Já tinha programado a visita. Ele me telefonou preocupado com essa campanha [de que o impeachment de Dilma seria um golpe de Estado] e perguntou o que a Comissão de Relações Exteriores do Senado poderia fazer a respeito. Ele manifestou preocupação e indignação com declarações desses dois personagens, Almagro [secretário-geral da OEA] e Samper [secretário-geral da Unasul]”. O senador disse que conversou com Temer antes de embarcar para Washington.
Nunes disse que Temer “é muito experiente em matéria política” e possui uma “capacidade de somar”. “Nós precisamos disso hoje no Brasil: formar um governo de ampla coalizão, capaz de ter força política para enfrentar os problemas que temos pela frente”, afirmou o senador.
EFE

Senador tucano disse que conversou com o vice-presidente Michel Temer (foto) antes de embarcar para os Estados Unidos
O senador criticou o posicionamento de Almagro, com quem possuía um encontro agendado, que foi desmarcado por Nunes. Em mais de uma oportunidade, o secretário-geral da OEA, organização sediada em Washington, declarou que “não há fundamento” para o impeachment de Dilma.
“Tenho certeza de que outras declarações absolutamente bizarras dele fazem com que as posições dele sejam muito pouco levadas a sério mesmo dentro da organização da qual é secretário-geral”, afirmou Nunes, acrescentando que “de modo algum” o Brasil sofreria sanções em organismos internacionais em caso de impeachment.
http://operamundi.uol.com.br/conteudo/noticias/43867/em+washington+manifestante+pergunta+se+senador+aloysio+nunes+foi+aos+eua+buscar+apoio+para+golpe.shtml?fb_comment_id=971601532924272_971678209583271#f3b03bdbebcddfc
Share:

0 comentários:

Postar um comentário