19 de abr de 2017

Lançamento: “Os Fuzis e as Flechas: História de Sangue e Resistência Indígena na Ditadura”, de Rubens Valente

Lançamento: “Os Fuzis e as Flechas: História de Sangue e Resistência Indígena na Ditadura”, de Rubens Valente

lancamento-os-fuzis-e-as-flechas-historia-de-san-1

Jornalista documenta violências sofridas pelos Índios durante o período da ditadura e que até recentemente eram ocultadas pelos militares
“Os Fuzis e as Flechas”, do jornalista Rubens Valente, é uma investigação jornalística de fôlego, que descreve centenas de mortes de indígenas durante a ditadura militar no Brasil (1964-85). O livro traz à tona registros inéditos de erros e omissões, relata invasões de terra, tortura, prisões arbitrárias e assassinatos de índios cometidos pelo Estado.
Durante quase dois anos, Valente entrevistou mais de oitenta pessoas, entre índios, sertanistas, missionários e indigenistas, percorreu 14 mil km de carro, esteve em dez estados e dez aldeias indígenas do Amazonas, Mato Grosso do Sul e Minas Gerais. O autor teve acesso aos documentos escritos, sob sigilo, pelos militares e que só começaram a ser liberados à pesquisa nos anos 2000. Foram consultadas milhares de páginas coletadas em arquivos de Brasília, São Paulo e Rio. As apurações de campo foram reforça das com a leitura de milhares de páginas de documentos cujo sigilo foi desclassificado em especial a partir de 2008.
“Este livro, apurado e escrito entre outubro de 2013 e setembro de 2015, é também o resultado da experiência e das histórias por mim acumuladas ao longo de 26 anos de reportagem para jornais de São Paulo, Mato Grosso do Sul e Mato Grosso, período em que conheci cerca de trinta terras indígenas, dentre as quais yanomami, terena, guarani, nambikwara, tapirapé e xavante”, conta Rubens Valente no texto de introdução do livro.
Entre os fatos narrados, Valente revela que, pela primeira vez, militares que tiveram contato com a construção da rodovia BR-174 (Manaus-Boa Vista) reconheceram em entrevistas gravadas que souberam de mortes de índios waimiri-atroari em conflitos armados com militares na década de 70. A estrada foi aberta pelo Exército nos anos 70. Ex-operários da rodovia também disseram ter visto grupos de índios serem rendidos por soldados sob a mira de fuzis.
Em outro episódio, descrito em detalhes pelo autor, Valente conta que um documento produzido pelo SNI em 1976 levou à localização, quarenta anos depois, de uma testemunha que trabalhava para a Funai e confirmou ter presenciado o assassinato de índios korubo na Amazônia em 1975. As mortes, segundo a testemunha, ocorreram em um confronto armado com funcionários da Funai no Amazonas e haviam sido descartadas em duas investigações oficiais. A testemunha revelou, porém, que os depoimentos prestados durante a ditadura militar foram combinados com o intuito de abafar o episódio.
> Rubens Valente nasceu em Goioerê (PR), em 1970. Jornalista da Folha de S. Paulo desde 2000, fez reportagens em mais de trinta terras indígenas, principalmente nos anos 1990. Desde 2010 é repórter do jornal na sucursal de Brasília.
Os Fuzis e as Flechas: História de Sangue e Resistência Indígena na Ditadura”
Autor: Rubens Valente
Editora: Companhia das Letras
Quanto: R$ 69,90 (520 págs.)
agência de notícias anarquistas-ana
Share:

0 comentários:

Postar um comentário