8 de abr de 2017

Multinacionais alemãs se beneficiaram do golpe de 1964, Por Diego Cruz


Multinacionais alemãs se beneficiaram do golpe de 1964


822


Mercedes, Volks, Bayer, Siemens e Mannesman foram algumas das empresas que financiaram e se beneficiaram com a ditadura
O golpe de 1964 foi um movimento pró-imperialista, tendo à frente os militares como instrumento a serviço do capital financeiro e industrial. A tal ponto isso era verdade que, na fase conspiratória, foram criados três órgãos que serviram pra a lavagem de dinheiro das multinacionais para as atividades contrarrevolucionárias no Brasil.
Eram eles o IPES (Instituto de Pesquisas Econômicas e Sociais), a ADEP (Ação Democrática Parlamentar) e o IBAD (Instituto Brasileiro de Ação Democrática). O IBAD foi fundado em 1959 por empresários, porta-vozes do capital estrangeiro, intelectuais e políticos de direita, e tinha o suposto objetivo de combater uma pretensa infiltração comunista no Brasil. Seu presidente era o deputado baiano João Mendes. Este Instituto ajudou Jânio Quadros a se eleger, assim como Carlos Lacerda e Ademar de Barros.
O IPES foi fundado em  novembro de 1961 por Augusto Trajano de Azevedo Antunes, da Caemi Mineração, a maior empresa privada do ramo de mineração, e que nos anos 1960 se uniu à Bethlehem Steel, fundando a MBR (Minerações Brasileiras Reunidas S.A); e Antônio Gallotti. Sua função primordial era integrar os movimentos sociais de direita e criar as bases da oposição que pudesse deter “o avanço do comunismo soviético no Ocidente“. Pouco após a sua fundação, passou a ser dirigido pelo general Golbery do Couto e Silva.
Moniz Bandeira calcula que o IBAD e a Ação Democrática Parlamentar (ADEP) gastaram em torno de 20 milhões de dólares nas eleições parlamentares de 1962 com o fornecimento de material impresso, veículos e apoio operacional. O dinheiro das multinacionais era depositado no Royal Bank do Canadá. Com isso, calcula-se que a ADEP contava com aproximadamente 150 deputados no Congresso Nacional.
Em virtude disso, em 1963 foi constituída uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para investigar os candidatos que teriam recebido financiamento do IBAD, presidida pelo deputado Ulysses Guimarães.  A CPI do IBAD tomou centenas de depoimentos e apurou denúncias de doações ilegais. Mesmo com boa parte da documentação da entidade sendo queimada pouco antes do início da investigação, pode-se constatar que o financiamento do IBAD provinha principalmente de empresas multinacionais estadunidenses, como: Texaco, Esso, Coca-Cola e IBM. Mas também de multinacionais alemães, como a Bayer AG .
Com base em informações apuradas pela CPI, em agosto de 1963 o presidente João Goulart determinou que as atividades do IBAD fossem suspensas por três meses, prazo prorrogado por mais três meses e, finalmente, em 20 de dezembro de 1963, o IBAD e a ADEP foram dissolvidos por ordem da Justiça.
O IPES de Golbery recebeu apoio financeiro de 297 corporações americanas. Mas seguindo o exemplo do instituto irmão, também recebeu contribuições de multinacionais de outros países. Entre elas as empresas alemãs. As contribuições eram realizadas via Fundação Konrad Adenauer, do Partido Democrata Cristão alemão, que os repassava ao IPES. Entre as empresas que fizeram esta movimentação financeira encontraremos a siderúrgica Mannesmann e a Mercedes Benz. Golbery encarregou-se pessoalmente do contato com o presidente da Mercedes.
Com este capital, aliciou parlamentares, governadores, jornalistas, padres, estudantes e dirigentes sindicais brasileiros. Além da Bayer, Mannesmann e Mercedes Benz, depositava diretamente na conta destes institutos a AEG (Allgemeine Elektricitäts-Gesellschaft), uma das mais importantes empresas eletrotécnicas da Alemanha.
De acordo com o livro de René Armand Dreifus, “1964: A Conquista do Estado, ação política, poder e golpe de classe” as seguintes multinacionais petroleiras depositavam nas contas destes institutos: Exxon/Mobil, Royal-Dutch Shell, Standard Oil of New Jersey, Texas Oil Co, Gulf Oil Bayer, parceiras dos grandes bancos imperialistas, entre eles, o alemão Deutsche Bank, proprietário de parte das grandes multinacionais do petróleo.
A Siemens, multinacional alemã, foi denunciada mesmo durante a ditadura por corromper funcionários da ditadura no governo Geisel.
O lucro com o sangue das ditaduras
Para se ter ideia de quem estamos falando, na historia da Bayer há uma clara identificação com agentes de guerra química, inumeráveis inseticidas e venenos caseiros. A empresa lucrou muito com acordos com grandes ditadores e criminosos de guerra, como Hitler e Pinochet. Seu diretor, Carl Duisberg, fez propaganda pessoalmente dos trabalhos forçados e escravo durante a Primeira Guerra Mundial.
Em virtude do apoio que deu à ditadura, a unidade inaugurada em junho de 1958 no distrito de Belford Roxo – Baixada Fluminense (RJ) passou ser um moderno Parque Industrial da Bayer, hoje ocupando 1,9 milhão de metros quadrados, assim como teve a possibilidade de instalar a fábrica da Bayer no bairro do Socorro, na cidade de São Paulo, onde transferiu sua sede administrativa em 1973.
Já o Grupo BASF consolidou sua presença na região do ABC paulista entre as décadas de 70 e 80 através de quatro plantas. O período coincidiu com intervenção em sindicatos e perseguição a sindicalistas, ao mesmo tempo em que arrocho salarial e um alto custo de vida assolavam os trabalhadores. A atuação sindical de trabalhadores da BASF na região foi fortemente reprimida. Militantes sindicais da Glasurit, pertencente ao Grupo BASF, atuavam clandestinamente através do GAS (Grupo de Atuação Sindical).
Impulsionada pela ditadura em 1976, surgiu a BASF Química da Bahia S/A no Pólo Petroquímico de Camaçari (BA). Entre 1977 e 1979, alavancada pelo ‘milagre econômico’, a BASF inaugurou quase ao mesmo tempo três fábricas: a de Santa Cruz, no Rio de Janeiro; a de Sapucaia, no Rio Grande do Sul e a de Jaboatão, no Recife.
Ditadura e nazismo
BASF e Bayer junto com outras multinacionais como a AGFA, Hoecht, Casella, Huels e Kalle formaram, em 1925, o grupo químico IG Farben, com sede em Frankfurt.  Em 1932, a IG Farben criou o Círculo de Amigos do Reichsführer SS e demitiu todos os diretores judeus. A IG Farben tinha 37 fábricas e um lucro de 68 milhões de reichsmark (moeda alemã de 1924 a 1948). Este cartel da indústria química submeteu, durante o regime nazista (1933-1945), 350 mil pessoas a trabalhos forçados. Destas, pelo menos 20 mil morreram na fábrica do grupo.
Para garantir seus lucros durante a II Guerra Mundial, a empresa utilizou o trabalho escravo, localizando uma de suas instalações de borracha sintética em Auschwitz, perto do infame campo de concentração. O gás letal feito pela IG Farben foi usado nos campos de extermínio.
Por isso, após a guerra, um grupo de executivos da IG Farben foi condenado por crimes de guerra nos Julgamentos de Nuremberg. Assim como o Tribunal Internacional de Crimes de Guerra declarou a empresa culpada por sua responsabilidade na guerra e por crimes da ditadura nazista.
Corrupção ontem e hoje
A AEG foi dissolvida em 1996, mas a marca continua sendo usada em muitos produtos através de licenciados. Foi vendida, entre outras, para a sueca Eletrolux e a alemã Bombardier Transportation, divisão de equipamentos para transportes ferroviários do grupo Bombardier. A Bombardier Transportation passou a ser a maior empresa do mundo na manufatura de equipamento de transportes ferroviários e prestação de serviços de manutenção de ferrovias.
Hoje a Bombardier, junto com a Siemens, está metida em escândalos de corrupção que envolvem o governo Geraldo Alckmin (PSDB) em São Paulo. Assim como o consórcio que formou com a Odebrech e Eike Batista e que ganhou a questionável licitação do Maracanã.
Diga-se de passagem, a Siemens, que cresceu de maneira frenética na esteira do chamado “milagre econômico”, abriu empresas no Paraná e Rio Grande Sul, além de já começar a prestar serviço para os metrôs de São Paulo e Rio de Janeiro, conseguindo abrir novas subsidiárias na crise da década de 1970.
Um de seus grandes negócios foi em 1975, no auge da ditadura, no mandato de Ernesto Geisel, quando foi assinado, sob muito sigilo, o Acordo sobre Cooperação para Uso Pacífico da Energia Nuclear Brasil-Alemanha, quando foram investidos mais de 40 bilhões de dólares. Foi criada a empresa estatal Nuclebrás e, do lado alemão, o cumprimento das atividades ficou a cargo da Kraftwerk Union (KWU), empresa privada controlada pela Siemens.
A Siemens KWU se fundiu com o grupo francês Framatome, formando a Areva.  A Areva está envolvida na manutenção de Angra 1 e participou recentemente da troca de um gerador de vapor da usina, serviço que custou à Eletronuclear mais de R$ 700 milhões.
Cargas de combustível para Angra I negociadas com a Siemens apresentaram problemas de fabricação quando a usina estava funcionando.
O modelo nazista da Volkswagen
A Volkswagen esteve diretamente envolvida no patrocínio da sangrenta Operação Bandeirantes, a OBAN. O intercâmbio entre empresa e órgãos de segurança ultrapassou o fornecimento rotineiro de Fuscas gratuitos para a polícia política. A Volkswagen recrutou pessoal nas Forças Armadas e da polícia para trabalharem em seus quadros. Em São Bernardo, a empresa que prestava serviço de segurança à montadora era comandada pelo coronel Rudge, grande amigo do coronel Erasmo Dias.
Manteve um aparato de espionagem dos empregados dentro das fábricas e nos sindicatos. A Volks e a Chrysler, por exemplo, repassaram listas de funcionários aos órgãos de segurança, às vezes com as respectivas fichas funcionais.
Nada mais normal para uma empresa que foi fundada e dirigida por nazistas durante anos e construída toda a sua estrutura empresarial de maneira autoritária. Foi o governo da Alemanha, então sob o controle de Adolf Hitler que, em 1937, constituiu uma nova companhia automobilística estatal, cujo nome oficial era Gesellschaft zur Vorbereitung des Deutschen Volkswagens mbH. (Companhia para a Preparação dos Carros do Povo Alemão). Naquele mesmo ano, a empresa foi renomeada simplesmente como Volkswagenwerk, ou “Companhia do Carro do Povo”. Originalmente operada pela Frente Trabalhista Alemã, uma organização nazista.
Quando o novo ciclo na ditadura no Brasil, com escalada repressiva e crescimento recorde na economia (9,5%) iniciou-se em 1969, se estreitou a ligação entre o governo militar e os empresários. Representantes de Volkswagen, juntamente com outras empresas, se reuniram com o chefe do Departamento de Ordem e Política Social (Dops) no ABC paulista, Israel Alves dos Santos Sobrinho, e o major Vicente de Albuquerque, do IV Regimento de Infantaria do Exército para acelerar o funcionamento do Grupo de Trabalho (depois chamado Centro Comunitário) que serviria de cobertura à colaboração entre empresas privadas do ABC paulista, o Dops e o Exército. Segundo a ata da reunião, estabeleceram um Centro de Coordenação no Dops. A cooperação da Volkswagen com a ditadura militar foi permanente e intensa.
Outras empresas alemãs também lucraram
Na Telefunken, as viaturas do Exército ficavam no pátio.Desde 2005 o nome da firma Telefunken não é mais usado. A marca Telefunken continua sendo usada por empresas como a estadunidense Telefunken|USA. A licença da marca Telefunken é administrada pela holding alemã Telefunken Holding AG, Berlim, subsidiária da Live Holding AG, que adquiriu os direitos da Daimler AG em dezembro de 2007. Uma das empresas licenciando a marca é a empresa alemã TELEFUNKEN ID Systems.
Em 1967, a Globo do Rio faz experiências de TV em cores, utilizando o sistema americano NTSC exibindo programas como a Discoteca do Chacrinha e Dercy de Verdade. No entanto, o governo militar emitiu uma ordem para que o sistema adotado para TV em cores no Brasil fosse o sistema da empresa Telefunken, desenvolvido na Alemanha, chamado de PAL, numa variação especialmente feita para países quentes, denominada de PAL M; além disso, proibiu quaisquer testes com outros sistemas, marcando a implantação das cores em cinco anos, ou seja, em 1972.
Outra empresa que, em contrapartida ao apoio que deu à ditadura, recebeu benesses foi a siderúrgica Mannesman. Sua usina no Barreiro, em Belo Horizonte, tem capacidade de produzir 500 mil toneladas de tubos de aço sem costura ao ano, utilizando carvão vegetal. Em 2000 passou a integrar o grupo V&M do Brasil. Durante a ditadura, recebeu isenções de impostos e financiamentos subsidiados pela ditadura.
Os austríacos e a ditadura
O Grupo Ultra, hoje um dos maiores grupos empresariais privados do Brasil, teve entre seus diretores o dinamarquês Henning Albert Boilesen, presidente da Ultragaz, financiador da Operação Bandeirante, denunciado como auxiliar direto de torturas, justiçado por militantes das organizações que faziam a luta armada. Trabalhava junto com Peri Igel. Igel era dono da Supergel, empresa de alimentos congelados que fornecia refeições à OBAN.
Hoje controla a distribuição de combustíveis, com a Ipiranga e a Ultragaz; tem indústria química Oxiteno; com a Ultracargo, empresas subsidiárias da holding Ultrapar no terminal intermodal do porto de Santos e se tornou a maior empresa de armazenagem de granéis líquidos do Brasil. A Ultragaz foi fundada não por alemães, mas pelo austríaco Ernesto Igel em 1937.
Punição aos financiadores e reparação aos que lutaram
Como se vê, as grandes multinacionais alemãs (como as dos Estados Unidos, França e Reino Unido) ganharam muito durante a ditadura e continuam ganhando muito até hoje. Para se fazer justiça é muito importante restabelecer a memória, mas também é necessário punição e reparação, tanto dos agentes do Estado que cometeram crimes como também das empresas que patrocinaram e financiaram o golpe e a ditadura que se instalou no país.
Na Alemanha se instituíram vários fundos de reparação às vitimas no nazismo. Entre eles o Holocaust Victims Compensation Fund: para vítimas judias do nazismo; o Fund for Victims of Medical Experiments and Other Injuries Application, para as vítimas das experiências médicas e outras lesões; mas também o Hardship Fund: que visa a reparação para vítimas judias do nazismo que emigraram de países do bloco soviético; e principalmente o Program for Former Slave and Forced Laborers para as pessoas obrigadas a realizar trabalho num campo de concentração em um gueto, ou um lugar semelhante de encarceramento em condições comparáveis​​. Calcula-se que no final de 1944 havia na Alemanha 7,7 milhões de trabalhadores forçados em todo o país.
Hugo Boss, filiado ao partido nazista, o estilista preferido de Hitler, durante a Alemanha Nazista confeccionou exclusivamente os uniformes negros das SS (Schutzstaffel), da Juventude Hitlerista e de outras agremiações nazistas. Ganhou milhões entre 1934 e 1945 e, para dar conta das encomendas, utilizou-se de mão de obra escrava dos prisioneiros de guerra, a maioria deles de mulheres que trabalhavam 12 horas por dia.
Após o término da guerra, foi tachado de “oportunista do Terceiro Reich“, multado em 80 mil marcos, condenado a indenizar as famílias dos trabalhadores forçados e privado de seus direitos civis.
Em 2011, a marca alemã Hugo Boss emitiu um pedido formal de desculpas por ter usado mão de obra escrava. Apresentou um pedido de desculpas realizado após o lançamento de um livro que revela a ligação do estilista alemão com o nazismo.  Em 2011 também, a Quandts, família de industriais e acionistas majoritárias da BMW, admitiu ter feito uso de milhares de trabalhadores forçados e de terem fechado vários negócios com o governo nazista.
Deutsche Bank encomendou uma investigação interna sobre as práticas de empréstimo durante o período nazista, onde foi revelado que créditos do banco foram usados para erguer o campo de concentração de Auschwitz. O Ministério alemão de Assuntos Estrangeiros também fez uma busca sobre seu passado e descobriu que muitos de seus diplomatas dos anos 1950 e 1960 tiveram passado nazista.
Para compensar as vítimas, o governo alemão estabeleceu um fundo de reparação no final dos anos 1990. Empresas com passado nazista disponibilizaram recursos para o fundo, entre elas a Hugo Boss.
No Brasil podíamos seguir o exemplo alemão e instituir fundos de reparação montados pelas grandes multinacionais que lucraram com a ditadura instaurada em 1964, para reparar e indenizar  trabalhadores e operários que foram demitidos, presos ou torturados pelos agentes do Estado.
Um ótimo tema a ser debatido no “Ano Alemanha-Brasil“ em 2014, já que, inclusive a presidenta Dilma Rousseff, declarou que deseja a possibilidade de ter acesso aos arquivos alemães para ajudar a esclarecer os crimes da ditadura militar brasileira. Época do acordo nuclear Brasil-Alemanha e quando multinacionais como Siemens, Volkswagen e Mannesmann, entre outras, tiraram proveito das repressões contra os movimentos sindicais e os trabalhadores. Assim como o Presidente da República da Alemanha, Joachim Gauck (político independente, sem partido político oficial), prometeu a muitos jornais brasileiros, em maio de 2013, em seu discurso de abertura do “Ano”, que estaria inteiramente disposto a colaborar para elucidar as violações de direitos humanos no Brasil. Mas nada fez até o momento.
É preciso deixar claro, contudo, que se não houver mobilização dos movimentos nacionais nada continuará a ser feito.
http://www.pstu.org.br/multinacionais-alemas-se-beneficiaram-do-golpe-de-1964/

0 comentários:

Postar um comentário

 
Copyright © . ODTUR - Otavio Demasi: Turismo e Políticas Públicas - Posts · Comments
Theme Template by BTDesigner · Powered by Blogger