30 de abr de 2017

Padilha comprou fazenda de empreiteiro investigado em 2007, como ele, pela PF. -Editor- inacreditável que sobejamente fora da lei, ainda não confiscaram, simplesmente o roubo realizado, além de terem cassado o mandato, para isto temos o TSE-Tribunal Superior Eleitoral. Pela Ficha Suja esse senhor não pode ser Deputado Federal,e muito menos ter sido Ministro, como sendo um Ficha Limpa. Isso é uma aberração . E quando o povo murmura bem baixinho," que a Justiça no Brasil é feita para os poderosos"., a Justiça, que tambem comete erros, manda prender. E tem mais, as terras estão dentro de Parque Público no Mato Grosso, que segundo ex-ministro do STF dise " existir jagunços".

Padilha comprou fazenda de empreiteiro investigado em 2007, como ele, pela PF

IN DE OLHO NA POLÍTICADE OLHO NO AMBIENTEDESMATAMENTOEM DESTAQUEGOVERNO TEMERPRINCIPALÚLTIMAS
Repórteres de “O Livre” detalham aquisição de terras de ministro em parque no MT; um deles era velho conhecido, de licitação suspeita, no RS
Há duas semanas, os repórteres Bruno Abbud e Ednilson Aguiar, do jornal O Livre, foram enxotados do Parque Estadual da Serra de Ricardo Franco, no Mato Grosso, por dois policiais civis carregando metralhadoras. O motivo? Apuravam a existência de uma pista de pouso clandestina nas fazendas do ministro-chefe da Casa Civil, Eliseu Padilha, compradas em área do parque. Os jornalistas ludibriaram os policiais e saíram às pressas, mas não se intimidaram. Na semana passada começaram a publicar uma série de reportagens sobre as irregularidades nas fazendas do ministro.
Na primeira delas, intitulada “As estranhas terras do ministro Padilha“, uma revelação: as fazendas Paredão I e Cachoeira foram compradas de executivos da CMT Engenharia. Um dos sócios-proprietários da empreiteira foi investigado, junto com Padilha, na época deputado federal (PMDB-RS), em operação da Policia Federal no Rio Grande do Sul. Ele é Francisco José de Moura Filho, investigado pela PF em 2007, na Operação Solidária. Moura e Padilha eram suspeitos de tramar a fraude na licitação da barragem do Arroio Taquarembó, que tinha uma previsão de investimento de R$ 54,6 milhões do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC).
Segundo o Ministério Público Federal (MPF), Padilha teria agido para que a empreiteira vencesse a licitação. A suposta fraude foi descoberta em 2010; em 2012 a PF abriu inquérito e o MPF denunciou o caso. Em 2016, oito anos após a operação ser deflagrada, quatro funcionários da ex-governadora Yeda Crusius (PSDB-RS) foram condenados a 6 anos de prisão. O caso de Padilha foi parar na mesa do Supremo Tribunal Federal (STF) por causa do foro privilegiado. Sua defesa conseguiu anular as interceptações telefônicas. O inquérito foi arquivado. Moura Filho, absolvido.
A empreiteira participa de obras de infraestrutura em todo o país. Em junho de 2015, o MPF de Tocantins qualificou a empresa como “detentora de inquestionável histórico de desvios de recursos públicos ocorridos na realização de grandes obras de engenharia nos últimos anos”, ao investigar as obras da rodovia TO-070, que tiveram, segundo os procuradores, um superfaturamento de R$ 14 milhões.
CONEXÃO URUGUAIA
De acordo com a reportagem, a fazenda Cachoeira, de 2.348 hectares – onde foram  desmatados ilegalmente 735 hectares – foi comprada por R$ 380 mil, pelo ministro Padilha, de uma offshore uruguaia representada por Moura Filho e Edson Navarro Mendes Penna, diretores da CMT Engenharia. A antiga proprietária da fazenda era a empresa Gallardia Administração de Bens e Participações Ltda, constituída em 2002 com um capital social de R$ 200 mil.
Desse total, R$ 199,999 mil pertenciam à Nicton Group S/A, offshore sediada no Uruguai, e o R$ 1 restante pertencia ao empreiteiro Moura Filho, representante da Nicton no Barsil. Três anos após a descoberta da fraude no Rio Grande do Sul, a Gallardia vendeu 40% da fazenda para a Jasmin Agropecuária e Florestamento Ltda, de propriedade do ministro e de sua mulher, Maria Eliane Aymone Padilha. Os outros 60% ficaram com seu ex-assessor – e sócio em outras fazendas no Mato Grosso – Marcos Antonio Assis Tozzati.
A Gallardia foi extinta em 2015. Em julho de 2006, como observaram os repórteres de O Livre, o endereço foi transferido de Montevidéu, no Uruguai, para a Rua Uruguai, 117, no Jardim São Luiz, em Santana do Parnaíba, na Grande São Paulo. Além disso, a empresa passou a valer, em 2005, R$ 6,6 milhões – o que representa um salto de mais de 3.000% em apenas dois anos.

Fazenda ministro
“Escritório” da Gallardia no Brasil
A fazenda Paredão I, de 2.955 hectares – dos quais 1.344 foram desmatados pelo ministro e seu sócio -, foi comprada em 2013 pela Agropecuária Dersena Ltda, empresa de Edson Navarro Mendes Penna. Penna teve uma rápida passagem pela Gallardía em 2004 e também foi diretor da CMT Engenharia. Em 2007, a fazenda Paredão I foi transferida da Gallardia para a Darsena.
MINISTRO FOI DENUNCIADO PELO MPE
O ministro foi denunciado pelo Ministério Público Estadual (MPE) por desmatar ilegalmente 2 mil hectares. Somando os outros réus, o parque no Mato Grosso já perdeu 19 mil hectares, dos 158 mil hectares de sua área, segundo levantamento do MPE e da Secretaria Estadual de Meio Ambiente. Eles identificaram desmatamento irregular, atividade pecuária sem licença e até mesmo trabalho escravo, entre 1998 e 2015.
Em dezembro, Padilha e outros fazendeiros foram condenados pela Justiça e tiveram cerca de R$ 949,5 milhões em bens bloqueados, por causa da degradação ambiental.
Um mês depois, o procurador-geral de Justiça em exercício do Mato Grosso, Luiz Alberto Esteves Scaloppe, e a promotora de Justiça Regiane Souza de Aguiar acusaram o governador Pedro Taques (PSDB) de usar a Procuradoria Geral do Estado para reverter as ações do MPE na Justiça e beneficiar os fazendeiros. “Uma pessoa que consegue mover um governador, um vice-governador e a diretoria da Sema tem que ser poderosa e eu deduzo que seja o ministro Padilha”, afirmou o procurador-geral.
As multas relativas ao desmatamento de 2 mil hectares, nas fazendas Cachoeira e Paredão I, somam R$ 108 milhões.
O QUE DIZ O GOVERNO ESTADUAL
Em nota, o governo estadual negou terem ocorrido ameaças à equipe do portal O Livre. Disseram que os jornalistas foram barrados pelos fiscais da Sema por causa das normas de segurança do parque. Sobre os policiais no local, a nota diz que eles fazem a segurança da equipe da Sema: “A Polícia Civil também esclarece que os dois policiais civis estavam uniformizados e armados, por se tratar de trabalho ostensivo e a região apresentar perigos relacionados a conflitos agrários e ainda ser rota do narcotráfico”.
Em nota, ministro declarou: “Não tenho nada a declarar, pois o alegado fato não existe”.
LEIA MAIS:
Parque no MT já existia quando Padilha comprou fazendas no local
Policiais armados com metralhadora intimidam jornalistas em fazenda de Padilha
MPE acusa Padilha de pressionar governador do MT para encobrir crimes em fazenda

0 comentários:

Postar um comentário

 
Copyright © . ODTUR - Otavio Demasi: Turismo e Políticas Públicas - Posts · Comments
Theme Template by BTDesigner · Powered by Blogger