27 de jun de 2017

Em 2010, fazenda de onde decolou avião com cocaína já estava no nome de Blairo Maggi. -Editor - Se a coisa pega, a FAB vai precisar comprar mais avião

Em 2010, fazenda de onde decolou avião com cocaína já estava no nome de Blairo Maggi

IN DE OLHO NA POLÍTICADE OLHO NO AGRONEGÓCIOEM DESTAQUEEMPRESAS BRASILEIRASGOVERNO TEMERLATIFUNDIÁRIOSPRINCIPALÚLTIMAS
No mesmo ano a empresa que tinha o imóvel foi incorporada ao grupo AMaggi, da família do ministro da agricultura; fazenda Itamarati não tem reserva legal
Por Alceu Luís Castilho e Cauê Seignemartin Ameni

O município de Campo Novo do Parecis (MT) tem 945 mil hectares – uma vez e meia a área do Distrito Federal. Pelo menos 1/20 pertencem ao grupo André Maggi, da família do ministro da Agricultura, Blairo Maggi. Em 2010, quando foi eleito senador, o sojeiro declarou, por R$ 3,52 milhões, 16,67% da Agrícola e Pecuária Morro Azul Ltda, dona da fazenda Itamarati Norte. O próprio site do grupo AMaggi (foto principal) enumera a fazenda entre as unidades do grupo.

Avião com 635 kg de cocaína foi interceptado em Jussara (GO)

Foi da Itamarati que partiu o avião com 635 quilos de cocaína interceptado em Jussara (GO), na tarde do domingo, pela Força Aérea Brasileira. A ação fez parte da Operação Ostium, com FAB, Polícia Federal e outros órgãos de segurança pública. Confira aqui o texto da revista CartaCapital: “FAB: Avião com cocaína decolou de fazenda que pertence a Blairo Maggi“.

Empresa estava no nome do ministro, em 2010. (Fonte: TSE)

De Olho nos Ruralistas constatou, a partir de dados da Receita Federal, que, em 2010, mesmo ano em que Maggi declarava a Morro Azul ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE), a Itamarati foi incorporada ao grupo André Maggi – do qual o ministro também é sócio. Na década passada o grupo arrendava a fazenda do antigo “rei da soja”, o empresário Olacyr de Moraes.
Não é uma fazenda qualquer, e sim uma parte importante do império dos Maggi. São 52 mil hectares de deserto verde, sem reserva legal ou área de preservação permanente, como informava, em 2011, um relatório de sustentabilidade do próprio grupo – quando a fazenda ainda estava arrendada.
Em dissertação de mestrado na Universidade de São Paulo (USP), a geógrafa Sandra Helena Gonçalves Costa contou, em 2012, que o atual “rei da soja”, Eraí Maggi Scheffer, primo do ministro, tinha três fazendas no mesmo município, conforme dados do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra): a Santa Rita, a Fartura e a Água Azul.
Confira vídeo sobre uma super colheita, no ano passado, feita na Itamarati. A divulgação, novamente, é do grupo André Maggi:
BLAIRO: ‘MT E FAZENDA SÃO VULNERÁVEIS’
O ministro Blairo Maggi postou na tarde desta segunda-feira a seguinte nota, em seu Facebook:
– Boa tarde! Quero esclarecer a respeito das notícias veiculadas sobre a interceptação de uma aeronave, carregada de entorpecentes, que, supostamente, teria decolado de uma pista localizada na fazenda Itamarati, na parte arrendada pela Amaggi. Para isso, compartilho a nota oficial da Força Aérea Nacional, onde afirma que o local exato da decolagem será objeto de investigação. As informações devem ser prestadas pelo piloto da aeronave, mas ele ainda não foi localizado.
Mato Grosso é um estado continental que se torna vulnerável à ação do tráfico internacional pelas fronteiras que possui. E, o local da fazenda (região de Campo Novo do Parecis) enfrenta o mesmo problema. A propriedade é extensa e tem 11 pistas autorizadas, assim sendo, quando a FAB conseguir confirmar o local exato da decolagem, compartilho com vocês!
http://outraspalavras.net/deolhonosruralistas/2017/06/26/em-2010-fazenda-de-onde-decolou-aviao-com-cocaina-estava-no-nome-de-blairo-maggi/

Share:

0 comentários:

Postar um comentário