27 de jun de 2017

Só auditoria põe fim à fraude com a dívida pública. -Editor - Me recordo de palestra de José Dirceu em SP, abordando o problema da dívida pública e citando o número de sortudos que a detém, é de estarrecer e vejam o que lhe aconteceu. A elite, sempre foi elite e quer continuar sendo, mas o povo, democraticamente, vai mostrar o seu lugar. Diretas já geral com reformas de base profunda, com estatização dos bancos. FORA RENTISMO.

Rio de Janeiro, 27/06/2017
http://www.aepet.org.br/noticias/pagina/14577/S-auditoria-pe-fim-fraude-com-a-dvida-pblica

Só auditoria põe fim à fraude com a dívida pública

Data: 20/06/2017
Autor: Rogério Lessa
 Enviar para um amigo Imprimir
 Diminuir Letra Aumentar Texto Voltar

Ao receber a medalha Tiradentes na Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (Alerj), por iniciativa do deputado Paulo Ramos (PSol), a economista Maria Lucia Fattorelli, da Auditoria Cidadã da Dívida, denunciou o esquema fraudulento do sistema da dívida pública, que condena o País a um sistema semelhante aos tempos do Brasil colônia.

“A dívida pública brasileira se transformou em uma verdadeira derrama, mecanismo aplicado pela coroa portuguesa que retinha 20% de todo o ouro extraído aqui”, disse Maria Lúcia, acrescentando que a sangria de recursos é bancada principalmente pelos mais pobres, devido a um sistema tributário injusto.

“Quem ganha até dois salários mínimos tem carga tributária de 54%, pois no Brasil os impostos incidem majoritariamente sobre o consumo. Enquanto isso, 0,5% das pessoas concentram 46% do patrimônio declarado no País. O pior é que a dívida está atrelada à política de combate à inflação para justificar os juros mais altos do mundo e são esses juros que fazem a dívida aumentar”, ponderou.

Maria Lúcia contabiliza que, a pretexto de combater a inflação, o país emite títulos para retirar moeda de circulação que custam 17,5% do PIB ao ano. “A política monetária suicida produz dívida que é usada para justificar reformas privatizantes e cortes no investimento público, saúde, educação e outras áreas de interesse nacional e social”, denuncia.

Além da legislação trabalhista e dos recursos naturais estratégicos, como o nióbio e o petróleo, o fantasma da dívida tem sido usado para pressionar a reforma da Previdência. “Não existe déficit da Previdência, este argumento visa a transferir este segmento para a exploração dos bancos. A Constituição de 1988 criou várias receitas para financiar a seguridade social. Se houvesse déficit não haveria como subtrair 30% das receitas para o pagamento de juros", resume a economista.
Share:

0 comentários:

Postar um comentário