25 de jul de 2017

NEGRA, SOY! O TOM, A VOZ E A RESISTÊNCIA DAS MULHERES AFROLATINAS E CARIBENHAS Com perfis e entrevistas, especial do Brasil de Fato revela pluralidade das mulheres negras

Foto: Karina Ramos
Pelo segundo ano consecutivo a equipe do Brasil de Fato realiza um especial em celebração ao Dia Internacional da Mulher Afro Latina-Americana e Caribenha.
Neste ano, o nome do especial "Negra, soy!" faz referência ao poema "Me gritaram negra", da poeta afro-peruana Victoria Santa Cruz. No continente marcado pela colonização europeia, reconhecer-se negra é sinônimo de resistência.
Negra soy! traz seis perfis de mulheres negras diferentes e por meio deles, revela um pouco o que é ser um corpo feminino, negro e latino em movimento no mundo. Além disso, traz duas listas com negras cientistas e inventoras e com mulheres que vem transformando a produção audiovisual assinada por nossa repórter Norma Odara.
É com a primeira mulher negra que pretende disputar uma eleição presidencial na América do Sul que abrimos os trabalhos. A Afro-colombiana Piedad Córdoba deu uma longa entrevista para nossa chefe de reportagem Vanessa Martina.
Adentrando as fronteiras do Brasil, uma mulher paraense foi responsável pela ideia de reunir todas as mulheres negras em uma grande marcha rumo à Brasília. Vilma Bentes que costuma ficar nos bastidores da militância, recebeu nossa correspondente Lilian Santiago para falar sobre como enxerga o Movimento de Mulheres Negras.
Atravessando o país, a equipe do Brasil de Fato foi ouvir a assertividade das palavras proferidas por Vilma Reis, socióloga e ouvidora-geral da Defensoria do estado da Bahia.
Em São Paulo, na Zona Leste, a cozinheira e escritora Priscila Novaes, recebeu nossa editora Juliana Gonçalves para falar sobre a importância das cozinheiras em uma casa de axé e como a comida dos orixás a reconectou com o mundo.
De Santa Catarina, o estado com maior concentração de brancos no país, a editora Camila Rodrigues entrevistou Vanda Pinedo, Movimento Negro Unificado (MNU) do Estado, para contar os desafios de viver, militar e ser uma liderança em um contexto de racismo nada velado.
Por fim, também em São Paulo, a repórter Rute Pina conversou com Verônica Bolina, mulher transexual que foi brutalmente violentada pelo estado que contou sobre como conseguiu seguir em frente e reconheceu negra por meio do ativismo. Além dela, a cantora Luedji Luna, dividiu com a reportagem como é ser uma artista negra fazendo o que ela chama de música na perspectiva da cura.
O 25 de Julho foi instituída em 1992 na República Dominicana, depois do primeiro encontro de mulheres negras da América Latina. De lá para cá mulheres negras e latinas de todo mundo começaram a reivindicar a data como forma de pautar as suas especificidades.
Boa leitura! https://www.brasildefato.com.br/especiais/negra-soy-o-tom-a-voz-e-a-resistencia-das-mulheres-afrolatinas-e-caribenhas/

0 comentários:

Postar um comentário

 
Copyright © . ODTUR - Otavio Demasi: Turismo e Políticas Públicas - Posts · Comments
Theme Template by BTDesigner · Powered by Blogger