5 de ago de 2017

Serena Williams recorda discriminação racial

autor Hamalli  02/08/2017

Serena Williams recorda discriminação racial


Serena Williams deu entrevista à revista Fortune (Foto: Reprodução)
Serena Williams marcou o Dia da Igualdade de Pagamento das Mulheres Negras (31 de julho) com um ensaio relatando suas próprias lutas no local de trabalho. A campeã de tênis escreveu uma editoria da revista Fortune, no qual ela encoraja outras mulheres a continuarem a pressionar a mudança para que elas possam “mudar a história”.
Williams abre o ensaio notando que “a diferença salarial entre homens e mulheres atinge as mulheres de cor mais difíceis”. De acordo com suas estatísticas, por cada dólar que um trabalhador do sexo masculino ganha, as mulheres negras fazem 63 centavos. As mulheres negras também têm que trabalhar oito meses mais para ganhar tanto quanto os homens fazem em um ano.
Relatando suas próprias lutas, Serena Williams, que está grávida de seu primeiro filho, conta: “Crescendo, foi-me dito que não conseguiria realizar meus sonhos porque eu era mulher e, mais ainda, por causa da cor da minha pele. Em todas as etapas da minha vida, tive que aprender a me defender e a falar”.
“Eu fui tratada injustamente, eu tenho sido desrespeitada por meus colegas do sexo masculino e – nos momentos mais dolorosos – fui assunto de comentários racistas dentro e fora da quadra de tênis. Felizmente, eu sou abençoada com uma unidade interior e um sistema de apoio de familiares e amigos que me encorajam a avançar. Mas essas injustiças ainda doem”, acrescentou a atleta.
Algumas das discriminações raciais e de gênero a que Williams foi submetida foram bem documentadas na mídia – em abril, o ex-tenista Ilie Nastase foi atacado por dizer: “Vamos ver de que cor ela tem. Chocolate com leite?”. Ele disse isso em relação ao filho que ela está esperando do noivo Alexis Ohanian.
Dois meses depois, o ex-campeão de Wimbledon, John McEnroe, disse que Williams era o melhor jogador de tênis feminino de todos os tempos, mas não o maior do mundo, afirmando que ela lutaria em campeonatos masculinos.
Apesar de suas próprias batalhas dentro de sua profissão, Serena Williams admite que ela está em uma plataforma privilegiada em comparação com milhões de outras mulheres. “Estou na posição rara para ser um sucesso financeiro além da minha imaginação. Eu tinha talento, trabalhei como louca e tive a sorte de travar. Mas hoje não é sobre mim. É sobre os outros 24 milhões de mulheres negras na América. Se eu nunca pegasse uma raquete de tênis, eu seria uma delas”, ponderou.
Williams continua: “Os ciclos de pobreza, discriminação e sexismo são muito, muito mais difíceis de quebrar do que o recorde de títulos do Grand Slam… Quero trazer minha perspectiva e experiências como atleta, empresária e mulher negra para as salas de reuniões e ajudar a criar um ambiente mais inclusivo nesta indústria branca e dominada pelos homens”.
Concluindo a carta apaixonada, Serena Williams exorta: “Mulheres negras: seja destemida. Fale por um pagamento igual. Toda vez que você faz, está tornando um pouco mais fácil para uma mulher atrás de você. Sobretudo, saiba que vale a pena. Eu demorei muito tempo para perceber isso. Mas todos nós valemos a pena. Eu disse há muito tempo: “Você tem que acreditar em si mesmo quando ninguém mais o faz.”
http://revistaraca.com.br/serena-williams-recorda-discriminacao-racial/?#raca
Share:

0 comentários:

Postar um comentário