17 de mai de 2018

Lula: "Por que eu quero ser presidente do Brasil novamente

Lula: "Por que eu quero ser presidente do Brasil novamente"

O ex-chefe de Estado do Brasil tem cumprido uma sentença de 12 anos por corrupção desde 7 de abril. Em uma tribuna no "Mundo", ele diz o que o leva a correr em outubro.
O MUNDO |  • Atualizou o  | Por 
Subscrever de 1 € reagir adicionar
image: http://img.lemde.fr/2018/05/17/87/0/3419/3419/534/0/60/0/fef8d91_16855-1dy9tki.ndcx.jpg
Em São Paulo, Brasil, em 17 de novembro de 2017.
[O ex-chefe de Estado brasileiro, Luiz Inácio Lula da Silva, conhecido como "Lula", está preso desde 07 de abril em uma cela da Polícia Federal em Curitiba, no sul do Brasil, onde o famoso juiz anticorrupção Sergio Moro . Lula está cumprindo uma sentença de doze anos e um mês de prisão após um julgamento apressado acusando-a de "suborno passivo" e "lavagem de dinheiro". De acordo com a promotoria, uma empresa de construção e obras públicas planejou oferecer um apartamento de três andares em Lula, em agradecimento por vários favores. O ex-presidente é objeto de seis outros processos aguardando julgamento.]
Tribune. Sou candidato à presidência do Brasil, às eleições de outubro, porque não cometi nenhum crime e porque sei que posso garantir que o país retorne ao caminho da democracia e do desenvolvimento para o nosso povo. .
Depois de tudo o que realizei como Presidente da República [entre 2003 e 2010] , estou certo de que poderei devolver ao governo toda a sua credibilidade, sem a qual não pode haver desenvolvimento econômico ou defesa dos interesses. nacionais. Sou candidata a devolver aos pobres e aos párias sua dignidade, garantir seus direitos e dar-lhes esperança de uma vida melhor.
Nada na minha vida foi fácil, mas aprendi a não desistir. Quando comecei a política, há mais de quarenta anos, não havia eleições no país, nem direitos para organizações sindicais e políticas.
Enfrentamos a ditadura e criamos o Partido dos Trabalhadores (PT), acreditando na democracia. Eu perdi três eleições presidenciais antes de ser eleito em 2002. Eu provei com o povo que alguém de formação modesta poderia ser um bom presidente. Eu completei meus dois mandatos com 87% de aprovação. Este é o nível de rejeição do atual presidente do Brasil, Michel Temer,que não foi eleito.

Perseguição judicial

Durante os oito anos em que governei este país, tivemos a mais forte inclusão social da história, que continuou durante o governo da minha camarada Dilma Rousseff. Trouxemos 36 milhões de pessoas para a pobreza extrema e permitimos que 40 milhões de pessoas se juntassem à classe média. Nosso país tem desfrutado de excepcional prestígio internacional. Em 2009, o Le Mondeme nomeou "homem do ano". Recebi este tributo como os demais, não como mérito pessoal, mas como marca de reconhecimento da sociedade brasileira.
"DOMINO, COM LARGA MARGEM, PESQUISAS DE INTENÇÃO DE VOTO NO BRASIL, PORQUE OS BRASILEIROS SABEM QUE O PAÍS PODE MELHORAR. "
Sete anos depois de deixar a presidência e depois de uma campanha de difamação contra mim e meu partido pelos setores mais poderosos da imprensa e do judiciário brasileiro, o país vive outro momento: o dos retiros democráticos e uma crise crescimento econômico prolongado. A população mais pobre sofre de desemprego e salários em declínio, aumento do custo de vida e desconstrução de programas sociais.
Todos os dias, mais e mais brasileiros rejeitam a agenda contra os direitos sociais estabelecida após o golpe parlamentar, que abriu o caminho para um programa neoliberal. Um programa que os eleitores rejeitaram quatro vezes por meio das urnas.
Domino, com larga margem, pesquisas de intenção de voto no Brasil, porque os brasileiros sabem que o país pode melhorar. Eu domino as pesquisas mesmo depois de ser preso como resultado de perseguição judicial.
Minha casa e os dos meus filhos foram saqueados, minhas contas pessoais e as do Instituto Lula foram descascadas. Mas eles não encontraram provas contra mim, nenhum crime para me culpar. Um juiz notoriamente tendencioso me condenou a doze anos de prisão por "atos indeterminados" . Ele alega, falsamente, que eu seria o dono de um apartamento em que nunca dormi, do qual nunca tive a propriedade, o gozo ou mesmo as chaves. Em uma tentativa de me impedir de contestar as eleições ou fazer campanha pelo meu partido, eles tiveram que ignorar parágrafos da Constituição Brasileira.

Sabotagem econômica

Mas meus problemas são irrisórios em vista do sofrimento do povo brasileiro. Para tirar o poder do PT após as eleições de 2014, eles não hesitaram em sabotar a economia com decisões irresponsáveis ​​do Congresso e organizar uma campanha de difamação do governo orquestrada pela mídia. Em dezembro de 2014, a taxa de desemprego era de 4,7% [da força de trabalho] no Brasil. Agora é 13,1%.
A pobreza aumentou, a fome espreita e os portões da universidade estão se fechando novamente para os filhos da classe trabalhadora. Investimentos para pesquisa estão em colapso.
O Brasil deve recuperar sua soberania e interesses nacionais. Sob a liderança do PT, o Brasil atuou no cenário internacional para estimular a defesa do meio ambiente e o combate à fome. Fui convidado para todas as reuniões do G8 e ajudei a articular o G20. Participei da criação dos BRICS, reunindo Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul, e a União das Nações Sul-Americanas (Unasul). Hoje, o Brasil se tornou um pária da política externa. Líderes internacionais evitam visitar o país. A América do Sul é fragmentada, com crises regionais cada vez mais graves e recurso a instrumentos diplomáticos cada vez mais fracos.
"CANDIDATO À PRESIDÊNCIA, PROMETI, LUTEI E CUMPRI MINHA PROMESSA PARA QUE TODOS OS BRASILEIROS TENHAM DIREITO A TRÊS REFEIÇÕES POR DIA. "
Algumas das mesmas pessoas que apoiaram a queda da presidente Dilma Rousseff, após uma intensa campanha das empresas do grupo Globo, que monopolizam a comunicação no país, perceberam que o golpe de Estado não era contra o PT. Ele era contra a ascensão social dos mais pobres e contra os direitos dos trabalhadores. Contra o Brasil.
Eu tenho quarenta anos de vida pública. Eu comecei no movimento trabalhista. Eu fundei um partido político com camaradas de todo o país e lutamos juntos contra as forças políticas dos anos 80 por uma constituição democrática. Candidato à presidência, prometi, lutei e cumpri minha promessa para que todos os brasileiros tenham direito a três refeições por dia e não conheçam a fome que eu conhecia criança.

Para o diálogo democrático

Eu governei uma das maiores economias do mundo e não cedi à pressão para apoiar a guerra no Iraque ou outras ações militares. Minha guerra foi contra a miséria e a fome. Eu não sujeitei meu país e sua riqueza natural a interesses estrangeiros.
Depois de minhas ordens, voltei a morar no mesmo apartamento onde eu morava antes de ser presidente, a menos de um quilómetro da Sindicato dos Metalúrgicos da cidade de São Bernardo do Campo [um subúrbio de São Paulo], onde Eu comecei minha vida política.
Tenho honra e nunca farei concessões na luta para provar minha inocência e preservar meus direitos políticos. Como presidente, defendi, por todos os meios, a luta contra a corrupção e não aceito ser acusado desse tipo de crime por meio de uma piada judicial.
"COMO PRESIDENTE, DEFENDI, POR TODOS OS MEIOS, A LUTA CONTRA A CORRUPÇÃO E NÃO ACEITO QUE ESSE TIPO DE CRIME ME SEJA IMPUTADO POR MEIO DE UMA PIADA JUDICIAL. "
As eleições de outubro, que darão um novo presidente, um novo Congresso e novos governadores de estado, são uma oportunidade para o Brasil debater seus problemas e definir seu futuro de forma democrática, votando como nação civilizada. . Mas eles só serão democráticos se todas as forças políticas puderem participar de forma livre e justa.
Eu já fui presidente e não estava nos meus planos para voltar a aplicar. Mas diante do desastre que está caindo sobre o povo brasileiro, minha candidatura é uma proposta para o Brasil voltar ao caminho da inclusão social, do diálogo democrático, da soberania nacional e do crescimento econômico para a construção de um país. um país mais justo e unido. Um país que se tornaria referência no discurso mundial como defensor da paz e da cooperação entre os povos.

En savoir plus sur http://www.lemonde.fr/idees/article/2018/05/17/lula-pourquoi-je-veux-a-nouveau-etre-president-du-bresil_5300166_3232.html#4rdz1D1AetKXpy6o.99
Share:

0 comentários:

Postar um comentário