14 de mai de 2018

SUICÍDIO, JUVENTUDE E SILÊNCIO NA AMÉRICA LATINA: ESSA É A SITUAÇÃO EM SETE PAÍSES DA REGIÃO. - Editor - É LAMENTÁVEL, POIS FALTAM POLÍTICAS PÚBLICAS ESPECÍFICAS.

SUICÍDIO, JUVENTUDE E SILÊNCIO NA AMÉRICA LATINA: ESSA É A SITUAÇÃO EM SETE PAÍSES DA REGIÃO

Suicídio, juventude e silêncio na América Latina: essa é a situação em sete países da região
Texto: Latitudes Laboratoriais Diferentes
Com o lançamento da série Net Rix 13 Reasons Why em 2017, cuja segunda temporada está a poucos dias de ser lançada, a discussão sobre o suicídio começou na América Latina, como aconteceu em muitas partes do mundo. Houve preocupação de que a caracterização que a série fez sobre esse problema incentivaria jovens e adolescentes a tirarem suas próprias vidas. No entanto, a discussão na região não conseguiu fundamentar um aspecto fundamental: a maioria das mortes por suicídio é evitável, se houver políticas de saúde mental adequadas para atender à população.
De acordo com os dados mais recentes da Organização Mundial da Saúde (OMS) até 2015, a taxa média de suicídio nas Américas é de 9,8 por 100 mil habitantes. Isso significa cerca de 65 mil mortes por ano. No continente, o país com maior índice de suicídio é a Guiana, com 29 por 100 mil habitantes, sendo uma das taxas mais altas do mundo. Depois da Guiana, há Bolívia e Uruguai, com taxas de 18,7 e 17, respectivamente. Na região, apenas esses três países superam a média européia de suicídios, que é de 15,4 por 100 mil habitantes.
De acordo com um relatório da OMS e da Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS) , os principais fatores de risco para o suicídio são as barreiras para a obtenção de assistência médica, que inclui políticas destinadas a resolver esse problema. Portanto, a questão é relevante: Como o suicídio é abordado nos países com maior e menor incidência na região? Isso é o que encontramos.

ENTRE O SUL E O CARIBE: OS PAÍSES COM MAIS SUICÍDIOS


URUGUAI: A LUTA CONTRA O MEDO DO CONTÁGIO

"Registro de suicídios no Uruguai", "Registro de suicídios no Uruguai é baleado" e "O suicídio no Uruguai chega a novo máximo", são alguns dos detentores dos jornais com maior distância do país, que ecoam dessa problemática social.
Os artigos foram publicados no âmbito do Dia Nacional de Prevenção do Suicídio, comemorado em 17 de julho de 2017, que alertava para o aumento excessivo de casos de autoflagelação em Montevidéu e cidades do interior.
O Uruguai é o país com uma das maiores taxas de suicídio na América Latina. Os números mais recentes da Organização Mundial da Saúde (OMS) indicam que 638 pessoas decidiram tirar suas próprias vidas em 2016.
O pico mais alto de suicídios ocorreu em 2002, com 692 casos, no contexto da crise econômica e social que o Uruguai estava passando, segundo as notas citadas.
O setor mais vulnerável é o dos homens com mais de 65 anos, mas desde 2015 o aumento de casos de jovens entre 15 e 24 anos tem atraído atenção, representando um terço das estatísticas que a OMS tornou visível em seu relatório de 2016.
O Ministério da Saúde Pública tem entre seus objetivos para 2020 reduzir o número de suicídios no Uruguai; No entanto, as ações precisas para evitar casos são desconhecidas.
Além da falta de políticas adequadas de saúde mental, existe também o temor dos uruguaios de que o suicídio seja um problema "contagioso" entre a população. Isto é discutido no livro "70 anos de suicídio no Uruguai" , uma publicação da Universidade da República que propõe reverter o tabu que significa suicídio, que sempre esteve sob o manto do silêncio.
Embora existam espaços especificamente dedicados a abordar este problema, o mais conhecido é o Last Resort , uma organização não governamental pioneira no tratamento da prevenção do suicídio, que por meio de linha telefônica, clínica de suicídio, oficinas e cursos, Ele confronta o assunto. Esse serviço parou de funcionar em 18 de março e, por enquanto, o Ministério da Saúde do Uruguai mantém uma linha transitória, enquanto um abrangente plano nacional de prevenção do suicídio entra em vigor em junho. 

BOLÍVIA: UMA MORTE SILENCIOSA INVISIBILIZADA

"Na Bolívia, há uma falta de dados sobre suicídios, porque eles não são registrados como tal", disse Rose Marie Rendón, presidente da Sociedade Boliviana de Psiquiatria (subsidiária Santa Cruz), durante sua participação na II Conferência Internacional sobre a Prevenção da Psiquiatria. suicídio e depressão realizada na Bolívia em setembro de 2017.
Rendon foi ainda mais contundente: "a polícia e hospitais (suicídios) são relatados como mortes por armas de fogo, envenenamento ou ingestão de órgãos de fósforo, o que torna invisível o problema (...) e um em cada quatro pessoas sofrem de transtornos depressivos no país. "
Talvez seja por isso que não é estranho que, em uma reportagem jornalística veiculada na imprensa boliviana, a maioria mencione que jovens ou adolescentes que decidem tirar suas próprias vidas deixam várias cartas dedicadas a seus parentes, o que seria um suicídio.
Segundo a OMS, a Bolívia é o terceiro país do mundo com a maior taxa de suicídio entre crianças de 5 a 14 anos. E em relação ao suicídio em adolescentes, o mesmo organismo relata que os casos entre as idades de 15 e 29 anos aumentaram (a partir de 2015), colocando o suicídio como a segunda principal causa de morte nessa faixa etária.
Os últimos dados publicados indicam que em 2015 houve 2.010 suicídios na Bolívia. Destes, 1.307 foram suicídios de homens e 703 de mulheres. Isso quer dizer que 24,34 homens de cada 100 mil e 13,13 mulheres de cada 100 mil cometem suicídio. A Bolívia é o segundo país com maior índice de suicídio entre as mulheres na América Latina depois da Guiana.
Embora na Bolívia tenha havido falar da criação de uma linha do tipo 911 para evitar o suicídio, ela não existe até hoje. O que foi desenvolvido foi o Guia para a Intervenção dos Transtornos Mentais, Neurológicos e do Uso de Substâncias, promovido pelo Ministério da Saúde, pela Sociedade Psiquiátrica Boliviana, pelo Colégio de Psicólogos, pelo Centro San Juan de Dios de Reabilitação e Saúde Mental. , a Polícia Boliviana e outras instituições.
O Guia aconselha a consulta com um especialista em caso de tentativa de suicídio; em seguida, localize a pessoa que tentou levar sua própria vida em um ambiente seguro para ser monitorada por um membro da família ou amigo próximo, além de restringir o acesso a métodos para se autoagressar. Também sugere às práticas midiáticas de conscientização sobre o suicídio, evitando o uso de "uma linguagem que tenta causar sensacionalismo ou aceitá-lo como um comportamento normal".

ARGENTINA: SUICÍDIO ENTRE ADOLESCENTES COMO GRANDE PREOCUPAÇÃO

"Obrigado a todos pelo apoio incondicional ... mas meu irmão nos deixou", publicou Joel Palavecino desanimado, em seu perfil no Facebook em 25 de junho de 2017.  
Fausto, com apenas 16 anos, morreu 25 dias depois de tentar tirar a própria vida, tornando-se a primeira vítima na Argentina de La Ballena Azul , um jogo que oferece aos participantes 50 gols para cumprir no menor tempo possível.
O método utilizado pelo adolescente para completar a lista de slogans é desconhecido, em que, como último item, a palavra "suicídio" aparece sem rodeios.
A morte auto-infligida de Fausto colocou na agenda da mídia um problema social que em 2015 causou a morte de 438 jovens.
Um relatório da OMS adverte que a Argentina está em terceiro lugar na América Latina por sua taxa de suicídio. O setor mais vulnerável é o dos adolescentes, especialmente homens de 15 a 24 anos, que recorrem a métodos como enforcamento e sufocamento.
Uma das organizações de prevenção mais conhecidas é o Centro de Assistência ao Suicídio (CAS), o primeiro espaço dedicado a fornecer acompanhamento e apoio a pessoas que sofrem deste problema através da linha telefônica 135. Além desta entidade que tem sido 50 anos Em vigor, existem vários centros criados por parentes de jovens que se suicidaram, que promovem campanhas de prevenção a cada 10 de setembro, Dia Internacional da Prevenção do Suicídio.

CUBA: O CAMINHO DA PREVENÇÃO COMUNITÁRIA

Em 1º de fevereiro de 2018, a notícia do suicídio de Fidel Castro Díaz-Balart, filho mais velho do ex-presidente cubano Fidel Castro, ganhou as manchetes da imprensa internacional . De acordo com o site oficial do Cubadebate , Díaz-Balart "foi tratado por um grupo de médicos durante vários meses devido a uma profunda depressão". Esta notícia também colocou no foco público a situação de suicídio neste país.
Segundo a OPAS, Escritório Regional da OMS para as Américas, Cuba é um dos países que apresentou uma das maiores taxas de suicídio nas Américas entre 2005 e 2009, com 9,9 casos por 100 mil habitantes. Uruguai, Chile, Trinidad e Tobago e Estados Unidos.
Nos anos de 2011, 2012 e 2013, a OPAS observa que em Cuba, o suicídio foi a terceira causa de morte entre pessoas entre 10 e 19 anos de idade , "com um número total de mortes de 40, 40 e 37 [respectivamente]".
Para 2015, a OMS indicou que na ilha a taxa de suicídio era de 14,1 casos por 100 mil habitantes [dos quais 22,3 eram homens e 5,7 mulheres].
Deve-se notar que durante décadas o modelo de saúde cubano inclui atenção médica ao comportamento suicida. "A partir de 1984, iniciou-se uma investigação epidemiológica nacional de comportamento suicida [...]. Em 1988, foi elaborado o Programa Nacional de Prevenção do Comportamento Suicida, que começou a ser implementado em 1989 ", afirma o relatório Prevenção do Comportamento Suicida publicado pela OPAS em 2016, que afirma que o programa foi" aperfeiçoado várias vezes ".
Em 1995, uma estratégia de comunidade e abordagem estratificada para abordar comportamentos suicidas foi iniciada. Existem 101 Centros Comunitários de Saúde Mental no país , de acordo com o Anuário Estatístico da Saúde do Ministério da Saúde Pública da Ilha, publicado em 2012. A OPAS indicou que é importante continuar fortalecendo o trabalho de saúde mental baseado na comunidade.

CHILE: DEPRESSÃO SILENCIOSA

No Chile, o suicídio ocorre a cada cinco horas. No ano, há 1.835 casos de pessoas, de acordo com um relatório do Instituto Nacional de Estatística em 2015. Enquanto a Pesquisa Nacional de Saúde (ENS) 2016 - 2017 revelou que 2,2% dos jovens entre 18 e 24 anos pensaram seriamente sobre o suicídio como uma opção. Na faixa de 25 a 34 anos, o número sobe para 3,6%.
Nos últimos anos, a questão da saúde mental vem ganhando relevância no Chile, mas os esforços ainda são insuficientes. Segundo a OMS, 5% da população do país vive com depressão. O ENS, que avalia a sintomatologia depressiva, elevou o valor para 6,2%. Ou seja, 1.089.588 dos chilenos lutaram contra a depressão durante o último ano.
Mas os números mais altos são os publicados em 2018 pelo Centro de Estudos de Conflitos e Coesão Social da Universidade do Chile, onde apontaram que 18,3% dos habitantes do país têm sintomas de depressão. 
Em 2015, o Governo implementou um Programa Nacional de Prevenção do Suicídio, que incluiu a implementação de planos regionais, ensinando o tema a profissionais de saúde, programas preventivos nas escolas e maior cobertura médica, mas tem sido insuficiente. Nesse mesmo ano, apenas 1,45% do orçamento da saúde foi destinado à saúde mental, segundo documentos do próprio governo, que só chegaram a atender pouco mais de 20% dos pacientes.
Em fevereiro de 2017, Mauricio Gómez, chefe do Departamento de Saúde Mental do Ministério da Saúde, disse em entrevista ao jornal La Tercera que, para dar melhor cobertura, entre 5 e 6% do orçamento deve ser destinado exclusivamente a programas de saúde mental "A saúde mental é de baixo custo em tecnologia, mas alto custo em recursos humanos. Não requer apenas psiquiatra, mas psicólogos, assistentes sociais ".

MÉXICO E AMÉRICA CENTRAL: BAIXAS TAXAS DE SUICÍDIO


MÉXICO: POUCO ORÇAMENTO E POUCOS PSIQUIATRAS

Um relatório do Secretariado da Defesa Nacional do México divulgado no ano passado tornou o suicídio a boca de muitos. O documento revelou que nos últimos dez anos, o tempo da guerra contra o narcotráfico no país, 110 integrantes do exército tiraram suas vidas. Deles, apenas cinco eram mulheres.
Os dados mais recentes sobre o suicídio disponíveis para o Instituto Nacional de Estatística e Geografia do México são de 2014. Esta informação diz que os homens cometem 80% dos suicídios. Além disso, a faixa etária com maior número de vítimas de suicídio são os jovens entre 15 e 29 anos, com uma taxa de mortalidade de 7,9 por 100.000 jovens.
Embora o México tenha uma das taxas mais baixas de suicídio na América Latina, a OMS a define como um problema de saúde pública. No entanto, o México investe menos de 1% de seu orçamento para problemas de saúde mental. De fato, o país tem apenas três psiquiatras por 100 mil habitantes.

HONDURAS: AUMENTO SILENCIOSO

Apesar do fato de que nos últimos anos Honduras registrou um aumento de suicídios, a questão não está muito presente na agenda pública. Somente quando ocorrem casos de mídia, como o suicídio da filha de 10 anos do embaixador panamenho em Tegucigalpa em 2011, o assunto transcende a conversa.
Embora Honduras seja um dos países com o menor número de suicídios na região, o Observatório Nacional de Violência da Universidade Nacional Autônoma de Honduras, criado em 2005, informou que em 12 departamentos do país os suicídios aumentaram: houve uma média de 33 suicídios por mês. Um dia Este é o maior aumento de suicídios nos últimos cinco anos.
Em Honduras não existe uma instituição governamental que tenha registros e números oficiais sobre suicídio. Esta função é realizada pelo Observatório, que foi criado pelo Instituto Universitário para a Paz, Democracia e Segurança da Universidade, o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento e a Agência Sueca para o Desenvolvimento Internacional, com o objetivo de monitorar as mortes que eles não são dados por causas naturais.
Segundo o último boletim emitido pelo Observatório, com dados de 2017, 77,4% das vítimas de suicídio são homens e a faixa etária em que há mais suicídios é em jovens entre 20 e 24 anos, 16,5% do total. O departamento que concentra a maioria dos suicídios é Francisco Morazán, que registrou um aumento de 64,5% em relação ao ano passado, com um total de 102 casos.
Honduras não possui um programa ou instituição oficial ou governamental dedicada à prevenção do suicídio.

GUATEMALA: MAIOR INCIDÊNCIA EM ÁREAS RURAIS

No início de 2017, um número de celular foi compartilhado de forma viral nas redes sociais na Guatemala . A mensagem incentivou a replicar o número para mais pessoas, com a intenção de salvar qualquer pessoa que estivesse pensando em tirar a própria vida. No entanto, poucos sabiam que por trás dessa iniciativa havia um médico particular, Hernán Ortiz, que nos últimos 15 anos dedicou-se à prevenção do suicídio. Além dessa iniciativa, não há grandes programas governamentais voltados para a prevenção do suicídio.
De fato, segundo a fundação Alas Pro Salud Mental, na Guatemala apenas 1% da população tem acesso a medicamentos para a saúde mental, uma situação preocupante, considerando que a depressão é um importante fator de risco para o suicídio.
Embora a Guatemala seja um dos países com menor índice de suicídio na América Latina, houve um aumento no suicídio de jovens entre 16 e 22 anos. Os homens cometem suicídio com mais de 40 a 45 anos e as mulheres que se matam na Guatemala tendem a ser adolescentes e adultos jovens. As regiões do país onde a maioria dos suicídios são registradas são do interior, da maioria rural e indígenaEles também estão entre os mais pobres. Os departamentos com as maiores taxas de suicídio são Baja Verapaz, Santa Rosa e El Progreso .
A prevenção, uma ampla e abrangente conversa social sobre o assunto e o acesso aos serviços de saúde mental são fundamentais em muitos países latino-americanos para lidar com os suicídios; nos países que mais sofrem com esse problema e naqueles onde há menos incidência.
***
O Laboratorio Distintas Latitudes é um exercício de experimentação investigativa e jornalística realizado por repórteres e editores com temas diversos. O objetivo é contribuir com nossa visão para a realidade, enquanto aprendemos. Nesta colaboração participaram: Jordy Meléndez Yúdico, Lizbeth Hernández, Ketzalli Rosas, Tania Chacón e Alma Ríos no México; Diego Pérez Damasco na Costa Rica, Florencia Luján na Argentina e Mariel Lozada no Chile.
** Em 14 de maio, o texto foi atualizado com a seção sobre o Chile e informações adicionais sobre o serviço de prevenção do suicídio no Uruguai.
https://distintaslatitudes.net/suicidio-jovenes-en-america-latina
Share:

0 comentários:

Postar um comentário