7 de mai de 2018

Temer tira torturadores da cadeia. - Editor - TORTURADORES E BANDIDOS, SÃO TODOS CRIMINOSOS. A JUSTIÇA É A MESMA. ALGUÉM SABE, QUANDO A JUSTIÇA MILITAR CONDENOU UM DITADOR, POR TER DERRUBADO A DEMOCRACIA INSTAURANDO A BARBÁRIE ? NINGUÉM É DONO DO PODER MESMO TENDO SIDO ELEITO.NINGUÉM É DONO DO PODER, MESMO TENDO PASSADO EM CONCURSO PÚBLICO. SÓ O POVO É DONO DO PODER. NASURNAS, ESSE PODER VAI VOLTAR AO POVO, QUE SERÃO TRIBUNAIS DE JULGAMENTO DOS CORRUPTOS, GOLPISTAS, ENTREGUISTAS, VENDILHÕES DA PÁTRIA E PÁRIAS.

Temer tira torturadores da cadeia

Foro de militares criminosos é a Justiça Militar!
publicado 07/05/2018
b4.jpg
Conversa Afiada reproduz reportagem de Vinicius Sassine no Globo Overseas, cuja sede fica na Holanda:

Novo foro dos militares já tirou mil ações da Justiça comum, de ameaça a tortura

A Asa Sul, em Brasília, é um dos espaços mais nobres e caros da capital. Ali, mais especificamente na região da quadra 310, a presença de um homem causava incômodo aos moradores. Usuário de drogas e suspeito de tráfico, Ronniely de Souza não era bem-vindo. Três policiais militares decidiram, então, castigá-lo. E com crueldade, como concluiu o Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT).
Primeiro, Ronniely foi detido de forma ilegal, algemado, colocado no “cubículo” de um carro da polícia e levado para um matagal. Depois, levou chutes no rosto, nas costas e um pisão no pescoço. Choques elétricos com uma pistola foram aplicados no pescoço e no braço. Por fim, ele teve o pé perfurado por uma barra pontiaguda de ferro. A tortura está descrita na denúncia. Cinco anos após o crime, o caso chegou a uma reta final. No dia 20 de março, os promotores entregaram as alegações finais, em que reiteram o pedido de condenação de dois dos três PMs, Sidney Gomes Pereira e Hamilton Castro da Silva. Segundo a defesa de Hamilton, o que tinha de ser informado está nos autos. A de Sidney não deu retorno à reportagem. O caso já poderia ir à sentença, não fosse um detalhe: o MPDFT pediu a transferência do processo da Justiça comum para a Justiça Militar.
O pedido dos promotores não foi aleatório. Em 13 de outubro de 2017, o presidente Michel Temer sancionou a lei 13.491, que amplia as possibilidades de militares suspeitos de crimes cometidos no exercício da função deixarem a Justiça comum e serem julgados na Justiça Militar, em caso de crimes contra civis. Os promotores do DF se basearam na nova lei para pedir o declínio de competência. A lei vem resultando em diversos casos de conflito de competência e numa indefinição sobre a quem cabe julgar esses PMs, o que pode atrasar o andamento das ações. Em dezembro, O GLOBO mostrou que as divergências já haviam começado com a aprovação da lei. Uma solução definitiva ficará a cargo do Superior Tribunal de Justiça (STJ), que já analisa os primeiros conflitos de competência, ou mesmo do Supremo Tribunal Federal (STF), provocado com ações diretas de inconstitucionalidade.
A 4ª Vara Criminal de Brasília, por exemplo, ainda não se decidiu sobre o que fazer com o processo da suposta tortura a Ronniely. Outras varas, em todo o país, já tomaram essa decisão. Seis meses depois de começar a valer, a lei 13.491 levou a um deslocamento de mais de mil processos que antes investigavam PMs na Justiça comum, em 14 estados, e que agora estão abrigados na Justiça Militar, como mostra um levantamento inédito feito pelo GLOBO. Uma decisão do STJ ou do STF, no entanto, pode voltar a embaralhar esses processos. (...)
https://www.conversaafiada.com.br/brasil/temer-tira-torturadores-da-cadeia
Share:

0 comentários:

Postar um comentário