29 de nov de 2016

Opera Mundi publica série especial sobre prisioneiros políticos nos Estados Unidos por Breno

Opera Mundi publica série especial sobre prisioneiros políticos nos Estados Unidosaltman


Série é composta por quatro blocos com reportagens feitas pelo jornalista Breno Altman, que esteve em 17 cidades dos EUA e entrevistou mais de 40 pessoas, entre advogados e líderes de organizações humanitárias
A partir desta terça-feira (02/08), Opera Mundi começa a publicar uma série de reportagens especiais sobre prisioneiros políticos nos Estados Unidos. O dossiê “Presos Políticos nos EUA” conta histórias de pessoas que estão presas por motivos políticos no país que se autoproclama campeão de liberdade e terra dos direitos civis.
Para além dos relatos, a série especial também busca expor o aparato repressor construído pelos Estados Unidos para reprimir dissidentes, mostrando tanto o papel do FBI na perseguição a lideranças do movimento negro na década de 1960, quanto a repressão seletiva contra muçulmanos na esteira da política antiterror após o 11 de Setembro.
Ao longo de três semanas, o jornalista Breno Altman esteve em 17 cidades e entrevistou mais de 40 pessoas, entre advogados e líderes de organizações humanitárias. Ele também visitou o sistema carcerário norte-americano e conversou com condenados políticos para produzir o dossiê especial.
A série é composta por quatro blocos, a serem publicados ao longo do mês de agosto de 2016, e todos os textos serão traduzidos e disponibilizados em inglês; parte deles também será traduzida para o espanhol.
Veja, abaixo, as reportagens:
PRIMEIRO BLOCO
Estados Unidos ocultam informação sobre presos políticos
Dos 54 condenados identificados por organizações de direitos civis, maior parte vem de minorias raciais e está encarcerada há mais de 40 anos
O diplomata Andrew Jackson Young foi figura de destaque quando Jimmy Carter governava os Estados Unidos, entre 1977 e 1980. Nascido em Nova Orleans, negro e democrata, iria completar 45 anos quando assumiu o posto de embaixador nas Nações Unidas. Era este o cargo que desempenhava quando deu, em julho de 1978, célebre entrevista ao jornal francês Le Matin. “Ainda temos centenas de pessoas, em nossas cadeias, que poderia classificar como prisioneiros políticos”, afirmou Young, a respeito de ativistas que tinham sido encarcerados nos anos 60 e 70.
Os Estados Unidos continuam a ocultar que mantêm presos políticos, pois não fica bem para a imagem de uma nação que se autoafirma líder do mundo livre e democrático. Aliás, que explica a ação de seus tanques e aviões ao redor do planeta como exportação da liberdade. Das centenas de presos reconhecidos pelo ex-embaixador, algumas dezenas ainda permanecem em calabouço. Muitos morreram ou cumpriram suas penas. Mas novos dissidentes foram capturados ao longo do tempo.
Bob Fletcher/Smithsonian Museum

Cartaz no estado sulista do Alabama convoca população às eleições e remonta às origens dos Panteras Negras

Panteras Negras foram vanguarda dos anos 60
O grupo que desafiou o racismo e o Estado no país mais poderoso do mundo
“Eles são a maior ameaça para a segurança interna do país”, sentenciou John Edgar Hoover, o lendário chefe do FBI, durante reunião na qual declarou guerra aberta ao partido de jovens afro-americanos que, no final dos anos 1960, ousava promover motins e enfrentar a polícia.
Os Panteras Negras brotavam como cogumelos nas principais cidades norte-americanas. Rapidamente, viravam o símbolo e a direção de quem não aceitava mais oferecer a outra face perante à agressividade das forças racistas.

Um homem que não queria mais senhores
Seu nome é Sekou Odinga. Pegou em armas porque acreditava que os afro-americanos são escravos modernos e têm o direito à rebelião
A prisão de Clinton, integrante da rede penitenciária do estado de Nova York, fica quase na fronteira com o Canadá. Foi construída no vilarejo de Dannemora, em 1845, para abrigar prisioneiros que trabalhavam nas minas locais. Os muros brancos, cravejados com torres de vigilância, parecem furar a paisagem aprazível de casas simples e bem-cuidadas da vizinhança. Até hoje é o principal edifício da cidade, ladeado por um hospital de tijolos aparentes que pertence ao mesmo complexo prisional.
Tornou-se o destino de rebeldes e revolucionários que se chocaram contra o poder. Um deles é Nathaniel Burns. Aliás, Sekou Odinga, o nome africano que adotou em 1965, quando se encantou com os discursos de Malcom X e aderiu ao movimento de libertação dos negros norte-americanos.

Sekou Odinga: “Não me arrependo de nada, continuo acreditando nas mesmas ideias e nos mesmos sonhos”

Lista reúne 54 presos políticos nos Estados Unidos
Levantamento feito por ONGs humanitárias contabiliza 54 pessoas encarceradas por motivos políticos nos EUA
A compilação leva em conta dados dos levantamentos realizados por organizações norte-americanas de direitos humanos, como o Movimento Jericó e a Aliança pela Justiça Global. Não inclui os presos de Guantánamo ou estrangeiros julgados nos Estados Unidos por crimes cometidos no exterior

SEGUNDO BLOCO
Programa secreto do FBI coordenou repressão política nos Estados Unidos
Medidas clandestinas para combater grupos rebeldes. Prisões e julgamentos ilegais. Esta foi a fórmula da polícia federal dos EUA durante a Guerra Fria
Em Media, na Pensilvânia, um grupo de oito jovens preparava-se para uma ação espetacular. Integravam uma pequena organização chamada Comissão Cidadã para Investigação do FBI. Seu líder era William Cooper Davidon, professor universitário de física e matemática que, na mesma data, completava 44 anos. Entraria para a história, logo se verá, como o Edward Snowden ou o Julian Assange da era analógica. 
Estavam prontos, após meses de preparação, para invadir o escritório do FBI na cidade, onde imaginavam encontrar documentos comprometedores sobre as atividades policiais naquele período conturbado da história dos EUA. Os papéis que encontraram constituíam um pequeno tesouro: os segredos do Counter Inteligence Program (COINTELPRO, a sigla em inglês), o plano clandestino de J. Edgar Hoover para enfrentar os comunistas e demais grupos insurgentes.
Reprodução/The Sparrow Project

Comitê Church, no Senado dos EUA, denunciou práticas ilegais da CIA e do FBI

Ex-prisioneiros, libertos, organizam solidariedade a atuais detentos
Disperso em comitês de apoio para cada preso político, movimento por direitos penais e indulto geral é estimulado por ativistas que saem das cadeias
O pequeno sobrado entre as ruas Valencia e 16ª, em uma vizinhança predominantemente latina de São Francisco, na Califórnia, abriga o principal centro de memória e difusão da causa dos presos políticos norte-americanos. Fundado no ano 2000, os Arquivos da Liberdade reúnem dez mil horas de áudio e vídeo, além de milhares de documentos e impressos, sobre movimentos de contestação nos últimos cinquenta anos, especialmente sobre a trajetória de militantes condenados ou assassinados por crime de rebelião.
O principal dirigente desta organização sem fins lucrativos é Claude Daniel Marks, 66 anos, um radialista que faz parte da história narrada pelo material recolhido por sua entidade.

'Sou um revolucionário e um otimista', diz ex-Pantera Negra
A história de Jalil Muntaqim, há 45 anos vagando pelos cárceres dos Estados Unidos, um dos mais longevos presos políticos da história
A prisão de Attica foi, ao longo do tempo, um dos destinos principais de ativistas vinculados aos Panteras Negras e outras organizações revolucionárias. Abriga atualmente apenas um destes militantes: Anthony Bottom, rebatizado Jalil Muntaqim quando se converteu ao islamismo, no início dos anos 70.
O anúncio de seu nome, no balcão de identificação, provoca risos tensos, embora mudos, entre os atendentes. O oficial que conduz a reportagem para o interior do presídio, no entanto, não contém sua bílis. “Veio entrevistar o assassino de policiais?”, fustiga gentilmente. “Cuidado, o cara parece boa praça, mas é muito perigoso.”

'Assim como nunca foi anti-EUA, Cuba seguirá sendo anti-imperialista', diz diplomata cubana

EUA: Promotoria retira acusações contra policiais envolvidos na morte de Freddie Gray

0 comentários:

Postar um comentário

 
Copyright © . ODTUR - Otavio Demasi: Turismo e Políticas Públicas - Posts · Comments
Theme Template by BTDesigner · Powered by Blogger