10 de dez de 2016

Deputados envolvidos com corrupção querem prender Guilherme Boulos do MTST Editor - são deputado federal José Carlos Aleluia do DEM e Antonio Imbassay do PSDB



editor


Por Fernando Marcelino
Terra Sem Males
Nesta semana o deputado federal José Carlos Aleluia (DEM) entrou com uma representação na Procuradoria da República pedindo a prisão de Guilherme Boulos, coordenador nacional do Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST). O deputado o acusa de  “incitação ao crime” e “formação de milícia privada”. Logo depois, Antônio Imbassahy do PSDB também entrou com um pedido de prisão contra Boulos por incitação  ao crime, “por ter feito uma fala quarta no Palácio do Planalto (lançamento do Minha Casa Minha Vida 3) dizendo que haverá resistência”.
Afinal, quem são estes dois sujeitos?
José Aleluia era membro do PFL, partido daqueles que apoiavam a ditadura militar. Aleluia já aparece nos relatórios da CPI dos anões do Orçamento de 1993, acusado por desviar recursos. Ele foi denunciado por José Carlos Alves dos Santos (funcionário do Congresso, e pivô do escândalo) como um dos deputados a desviar recursos do Orçamento[1]. Junto com Aleluia estava Sérgio Guerra (PSDB-PE), ex-presidente nacional do PSDB, acusado das mais diversas falcatruas possíveis, inclusive o recebimento de R$ 10 milhões para “abafar” a CPI da Petrobrás de 2009[2]. O senhor Aleluia é reincidente em escândalos deste tipo. Em 2006 foi acusado de envolvimento com a máfia das ambulâncias, recendo R$400 mil de propina da Planam, durante a Operação Sanguessuga[3]. Para completar, Aleluia também aparece na lista do caixa dois de Furnas[4].
Já o tucano Antônio Imbassahy tem uma ficha invejável. Ela aparece está entre os políticos de uma lista de políticos que recebiam propina da Odebrecht já na década de 1980. O tucano, apelidado de ”Almofadinha”, estaria relacionado à obra da barragem de Pedra do Cavalo, nos anos 80. À época, Imbassahy, que era filiado ao PFL[5].
Nos idos de 1999, quando era prefeito de Salvador, Imbassahy abriu licitação para a construção do Metrô da capital, uma das obras públicas mais polêmicas do estado – ganhou o noticiário nacional pelos desvios de dinheiro público e por ter demorado 14 anos para ser concluída. O TCU (Tribunal de Contas da União) detectou sobrepreço de ao menos R$ 166 milhões, em valores da época, e responsabilizou gestores indicados por Imbassahy, além das empresas envolvidas, as mesmas que agora serão investigadas pelo tucano na CPI[6].
Quando ainda era prefeito, a promotora Heliete Rodrigues Viana, da Promotoria de Cidadania do Ministério Público da Bahia, propôs uma ação civil pública por prática de improbidade administrativa contra Antônio Imbassahy sob a alegação de que a administração municipal favoreceu empresas da área de comunicação e de publicidade e, com isso, causou danos financeiros ao tesouro do município[7].
No mesmo ano de 2010, Imbassahy disputava uma vaga na Câmara dos Deputados pelo PSDB – já não era mais PFL. Conseguiu se eleger e, ao final da campanha, apresentou à Justiça Eleitoral a prestação de contas: R$ 583.982,88 foram gastos. Dois dos maiores doares foram as empresas Coesa Engenharia e Construtora Barbosa Mello – cada uma ofertou R$ 100 mil ao candidato. Os nomes das duas empresas aparecem na lista de investigadas na Operação Lava Jato. Em um dos desdobramentos da Operação Lava Jato, a Polícia Federal divulgou documentos obtidos na sede da empreiteira Camargo Correa, em São Paulo[8]. Uma das planilhas localizadas menciona o ex-deputado federal e atual prefeito de Salvador ACM Neto (DEM) e o associa a dois valores em dólares de US$ 100 mil e US$ 300 mil, o que levanta uma suspeita sobre a participação dele no esquema[9].
Qualquer pesquisa sobre a trajetória destes sujeitos nos leva apenas a uma clara conclusão: são dois corruptos de carteirinha, enfim, moralistas em moral. Não é a toa que tem amplo espaço no cartel da mídia liderada pela Globo, Folha de São Paulo e Estadão bem como tratam o presidente da Câmara Eduardo Cunha com todo amor do mundo.
[1] http://www.istoe.com.br/reportagens/25780_MANTIDOS+OS+SEGREDOS+DOS+ANOES
[2] http://www1.folha.uol.com.br/poder/2014/10/1533519-costa-diz-que-pagou-propina-ao-ex-presidente-do-psdb-sergio-guerra.shtml
[3] http://bahiadefato.blogspot.com.br/2006/08/documento-liga-jos-carlos-aleluia-mfia.html
[4] http://www.viomundo.com.br/denuncias/lista-de-firnas.html
[5] http://noticias.uol.com.br/politica/ultimas-noticias/2016/03/26/esquema-de-propina-da-odebrecht-funcionava-desde-governo-sarney.htm
[6] http://www.revistaforum.com.br/2015/04/05/tcu-denuncia-desvios-no-metro-de-salvador-durante-gestao-tucana/
[7] http://acervohistorico.emilianojose.com.br/imprensa/at_06122004.htm
[8] http://www.revistaforum.com.br/2015/04/06/imbassahy-e-a-queda-dos-udenistas/
[9] http://www.brasil247.com/pt/247/bahia247/139176/Imbassahy-recebeu-doa%C3%A7%C3%A3o-de-empresa-investigada.htm
http://www.terrasemmales.com.br/deputados-investigados-por-corrupcao-querem-prender-guilherme-boulos-do-mtst/

0 comentários:

Postar um comentário

 
Copyright © . ODTUR - Otavio Demasi: Turismo e Políticas Públicas - Posts · Comments
Theme Template by BTDesigner · Powered by Blogger