5 de jul de 2017

Entrevista com Saskia Sassen sobre o livro “Expulsões: brutalidade e complexidade na economia global


Entrevista com Saskia Sassen sobre o livro “Expulsões: brutalidade e complexidade na economia global

Hoje, em Bilbao, em Nova York na manhã de ontem, no Reino Unido entre dois vôos , Saskia Sassen , professora de Sociologia na Universidade de Columbia, em Nova York, discorre, debate provoca. Durante vinte anos , ela analisa a globalização em todas as suas dimensões políticas, sociais e econômicos, financeiros . Cosmopolita , esta poliglota nasceu na Holanda em 1949 , cresceu em Buenos Aires antes de estudar na França, Itália e Estados Unidos. Estes dias teve publicado nos Estados Unidos  a obra “Expulsões: Brutalidade e Complexidade na Economia Global (Harvard University Press).
 Abaixo a entrevista feita com Saskia Sassen por Olivier Guez para o jornal Le Monde Paris .
Em seu novo livro , você sabe que a globalização entrou em uma fase de ‘empurrar’ para a frente. O que quer dizer com isso?
Nas últimas duas décadas , um número crescente de pessoas, empresas e locais foram fisicamente como ‘expulsos’ da ordem econômica e social.  Trabalhadores pobres ficaram proteção social. Nove milhões de famílias americanas perderam suas casas após a crise do subprime. Em grandes cidades ao redor do mundo , as “classes médias” são gradualmente expulsas do centro da cidade que se tornou inacessível para o seu bolso . A população carcerária dos EUA aumentou em 600% nos últimos quarenta anos. O fraturamento hidráulico do solo para extrair gás de xisto transformou ecossistemas em deserto, que tem seus solos águas poluídos , como se fossem removidas fatias da biosfera. Centenas de milhares de moradores foram deslocadas desde que empresas estrangeiras, estatais e privadas , foram adquirindo terras nos quatro cantos do mundo: desde 2006, 220 milhões de hectares foram comprados , principalmente na África.
Todos esses fenômenos , sem ligações explícitas , que eles respondem , em sua opinião, a uma única lógica?
Aparentemente estão desligados um do outro, e cada um é explicado separadamente . O destino de um desempregado excluído, obviamente, nada tem a ver com um lago poluído na Rússia ou os EUA Isso não impede que , na minha opinião , a aplicação de uma nova dinâmica sistêmica , complexa e radical , que exige quadros teóricos inéditos. Eu sinto que nos últimos anos cruzamos uma linha invisível , como se tivéssemos ido para o outro lado do “algo”. Em muitas áreas – economia, finanças, desigualdade , meio ambiente , desastres humanitários – o aumento das curvas e ‘ expulsão ‘ foi acelerado. Suas vítimas desaparecem como navios que afundam no mar, sem deixar vestígios, pelo menos na superfície. Sem mais serem levados em conta .
Qual é a diferença entre um “excluído” e um “expulso”?
Os excluídos são uma vítima, um mais ou menos, um marginal infeliz , uma anomalia de uma certa forma , enquanto o expulso é uma conseqüência direta do funcionamento atual do capitalismo. O expulso pode ser uma pessoa ou uma categoria social, como os excluídos, mas também pode ser um espaço, um ecossistema, uma região inteira . O expulso é o produto das transformações atuais do capitalismo , que introduziu , no meu ponto de vista, na extração de lógica e destruição, seu corolário .
 É isso significa?
Antes, durante os ” trinta anos gloriosos ” no Ocidente, mas também no mundo comunista e no Terceiro Mundo , apesar de suas falhas , o crescimento da classes trabalhadora e média formou a base do sistema. Predominava então uma lógica distributiva e inclusiva. O sistema , com todos os seus defeitos , funcionou dessa maneira. Esse não é mais o caso. Essa é a razão de porque perdem pé a pequena burguesia e uma parte significativa das classes médias . Seus filhos são as principais vítimas : eles têm respeitado as regras do sistema e têm feito conscientemente tudo o que foi exigido deles – estudos, práticas, muitos sacrifícios – a fim de continuar sua ascensão social de seus pais. Eles não falharam, ainda , o sistema os expulsou pois não há espaço suficiente para eles.
Quem são os “expulsadores”?
Não se trata de falar de alguns indivíduos , ou mesmo de multinacionais deslumbradas por seu volume de negócios e negociação na Bolsa . Para mim os “expulsadores” são “formações predatórias ‘ que decorrem de uma combinação heterogênea e geograficamente dispersa de executivos, banqueiros , advogados, contadores , matemáticos , físicos, e elites globalizadas que são dotadas de capacidades sistêmicas extremamente poderosas.
– Máquinas, redes tecnológicas  – para adicionar e manipular conhecimentos e dados complexos, extremamente complexos para dizer verdade. Ninguém controla todo o processo . A desregulamentação das finanças dos anos 1980 tornou possível caminhar estas formações predatórias e chave são os derivados , funções de funções que se multiplicam os lucros, bem como perdas e deixar essa concentração extrema e sem precedentes de riqueza.
 Quais são as conseqüências do paradigma que você descreve?
Amputadas de pessoas expulsas – trabalhadores , florestas, geleiras, etc, as economias encolhem e degradam a biosfera , enquanto o aquecimento global e o derretimento das geleiras acelera de uma velocidade inesperada. A concentração da riqueza encoraja o processo de expulsão de dois tipos: dos mais desfavorecidos e dos super-ricos . Estes dois grupos são abstraídos da sociedade em que vivem fisicamente. Eles evoluem em um mundo paralelo reservados para castas e não assumem as suas responsabilidades cívicas. Em resumo , o algoritmo do neoliberalismo não funciona mais.
 O mundo que você descreve é muito desagradável . Não está carregando demais na tinta ?
Acho que não. Eu tiro essas conclusões de fenômenos subjacentes  que são extremos para alguns. E a lógica que eu relato coexiste com formas de governança mais refinadas e sofisticadas. Meu objetivo é soar o alarme. Estamos em um momento de balanço . A erosão do ator histórico fundamental “classe média” que foi o vetor de dois séculos anteriores da democracia , especialmente me preocupa. Este processo é muito perigoso politicamente,, e pode ser encontrado em todos os lugares do mundo neste momento.
Como podemos resistir a essas formações predadores ?
É difícil , devido à sua natureza complexa , já que estas pilhas de indivíduos , instituições, redes e máquinas são dificilmente identificáveis e rastreáveis. Dito isto , acho que o movimento Occupy Wall Street e seus derivados ‘ indignados ‘ , ou seja, a Primavera Árabe ou as manifestações de Kiev, embora ocorrendo em contextos sócio-políticos diferentes são respostas interessantes . Os expulsos estão se reapropriando do espaço público. Ancorados em um “buraco” – sempre uma praça principal, um local de passagem – e implementam uma sociedade temporária hipermidiatizada e criam um território. Apesar das alegações que não têm nem uma liderança precisa nem uma direção política clara , os expulsos reencontram uma presença nas cidades globais, essas metrópoles onde a mundialização se encarna  e se exibe. reunir uma presença em cidades globais , as cidades em que a globalização se encarna e exibidos. Na impossibilidade de apontar para um lugar de autoridade identificado com seus problemas – um palácio real , uma Assembléia Nacional , a sede de uma multinacional , um centro de produção , os expulsos ocupam um espaço indeterminado que é simbolicamente forte na cidade para reivindicar os seus direitos.
Na sua opinião qual é o destino desses movimentos?
Se forem considerados como cometas , a sorte está de fato definida. Mas eu tenho uma tendência para assimilar início de carreira, e cada ” ocupação ” é um seixo. É o embrião de uma estrada? Eu não sei. Mas o movimento das nacionalidades no feminismo do século XIX também começou com pequenos toques , atire até que as células começaram a realizar o seu conjunto e formam um todo. Esses movimentos , eventualmente, talvez , incentivando estados para lançar iniciativas globais na área de meio ambiente, acesso a água e comida.
Saskia Sassen, uma especialista em vários aspectos da Globalização, urbanismo e da migração humana, é professora de Sociologia na Universidade de Columbia em Nova York e professora visitante da London Schoool of Economics . Em 2013 ela ganhou o Prêmio Príncipe de Astúrias de Ciências Sociais 
https://blogdopedlowski.com/2014/05/05/entrevista-com-saskia-sassen-sobre-o-livro-expulsoes-brutalidade-e-complexidade-na-economia-global/

0 comentários:

Postar um comentário

 
Copyright © . ODTUR - Otavio Demasi: Turismo e Políticas Públicas - Posts · Comments
Theme Template by BTDesigner · Powered by Blogger