12 de dez de 2016

Desmentindo mais três asneiras de João Dória por Laio Rocha -


 


Prefeito eleito chamou centro da capital de "lixo vivo" em razão da quantidade de moradores de rua e disse que "parece um filme escabroso".
Foto: Renato S. Cerqueira/Futura Press
Foto: Renato S. Cerqueira/Futura Press
1 - O número de moradores de rua aumentou em 10 mil nos últimos 4 anos;
2 - O número de pessoas na “Cracolândia” multiplicou por sete nos últimos anos;
3 - O centro de São Paulo é um “lixo vivo”.
Essas são algumas das afirmações que o prefeito eleito de São Paulo, João Dória (PSDB), fez no último dia 5, em reunião na Fecomercio, no centro da capital e que eu resolvi explicar melhor:

1 - Moradores de rua em São Paulo

“É inacreditável, são 16 mil pessoas nas ruas. Eram seis mil no início dessa gestão”, disse Dória aos comerciantes e empresários.
Não é o que diz o Censo da População de Rua da Cidade de São Paulo de 2015, realizado pelo Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (FIPE) da Secretária de Assistência e Desenvolvimento Social. De acordo com o estudo, em 2011, haviam 14.478 moradores de rua, já em 2015, o censo identificou 15.905. Ou seja, uma conta básica mostra que o número avançou em 1.573, e não 10 mil como disse Dória.
É claro, isso não ameniza o problema, prova disso são as inúmeras críticas que a atual gestão municipal recebeu em relação aos moradores de rua. As lideranças dos movimentos sociais dos chamados “refugiados urbanos”, por exemplo, denunciam a forma como a Guarda Civil Metropolitana (GCM) vem atuando junto a essa população, com relatos constantes de violência e roubos. O ápice da crise se deu no inverno deste ano, quando seis moradores morreram de frio nas ruas da capital.
Um cara maneiro falando na reunião da empresa de Dória. Foto: Divulgação
Um cara maneiro falando na reunião da empresa de Dória. Foto: Divulgação -  Adendo do Editor do odtur  - veja o lixo que
esteve no evento da Lide Eduardo Cunha
O que, por outro lado, não dá direito a Dória de se utilizar desse arsenal para falsear dados e colocar a cidade como um lugar sujo pela presença de moradores de rua. Eles não são um defeito da cidade, são consequências da intensa desigualdade social estampada em empresários bilionários e políticos corruptos para os quais Dória inclusive faz lobby através da sua empresa LIDE.

Cracolândia

“Não sei com base em que ele [Dória] disse isso”, rebateu o atual prefeito, Fernando Haddad(PT) em referência à afirmação do empresário sobre o número de pessoas na cracolândia.
Apesar de não dar dados, é consenso entre os trabalhadores da saúde que prestam assistência aos usuários de crack da região da luz de que não é possível definir um número exato de pessoas que circulam pela “feirinha”, como é chamada a venda da droga no local. Isso porque a quantidade flutua de acordo com o dia, chegando realmente a milhares de pessoas nos fins de semana, e algumas centenas durante o dia (a maioria de moradores de rua que moram ali).
No entanto, isso contradiz as políticas que estão sendo implantadas naquele território, grande parte delas de seu próprio cabo eleitoral, o governador Geraldo Alckmin (PSDB), que, sob coordenação do polêmico psicólogo Ronaldo Laranjeiras, criou o programa “Recomeço”, que visa a abstinência através da internação voluntária ou compulsória dos usuários da “craco”. Após quatro anos do Programa, não há sequer um dado divulgado, seja pela Secretária de Saúde, de Desenvolvimento ou de Assistência Social sobre os resultados do Recomeço.
Aliás, o Recomeço foi defendido com fervor por Dória em diversas etapas da sua campanha eleitoral, quando ele anunciou que iria acabar com o programa municipal “De Braços Abertos”, de autoria da gestão de Haddad.
“Vamos acabar com o programa 'De Braços Abertos'. É braços abertos para a morte. É um programa que alimentou e fez crescer o número de dependentes químicos na cidade. Aumentou até o preço da pedra de crack", afirmou Dória à rádio Jovem Pan.
Apesar disso, o programa De Braços Abertos obteve reconhecimento internacional pelos avanços através do modelo de Redução de Danos, adotado em diversos outros países, e também pelo Ministério da Saúde. De acordo com os dados da instituição Open Society, que avaliou o DBA, 2 de 3 beneficiários reduziram o consumo. Pelos dados do próprio programa, 52% retomaram o contato com suas famílias. Você pode entender um pouco mais dos seus resultados na entrevista do atual Secretário de Saúde, Alexandre Padilha (PT).
Na foto, Alckmin, o secretário de Desenvolvimento Social, Rodrigo Garcia, e o coordenador do Programa Recomeço, Ronaldo Laranjeiras. Foto: Marcelo Camargo/ABr
Na foto, Alckmin, o secretário de Desenvolvimento Social, Rodrigo Garcia, e o coordenador do Programa Recomeço, Ronaldo Laranjeiras. Foto: Marcelo Camargo/ABr

O “lixo vivo”

É uma expressão higienista. O “lixo vivo” do centro a que se refere Dória, são os moradores de rua que impõem seus corpos à visão dos carros insufilmados de empresários ricos que, para seu desconforto, têm que passar por trajetos centrais em que a pobreza e a miséria se exibem. Não querem. Odeiam. Por isso Dória quer “limpar” o centro em um grande mutirão desde o Bixiga até a Sé.
Parece ótimo, mas quais soluções ele vai colocar para dar abrigo e moradia aos moradores de rua? Afinal, a casa possível para eles é exatamente na praça 14 bis, onde Dória planeja iniciar a sua “limpeza”. Bombas de gás lacrimogêneo para ofuscar e balas de borracha para apagar do mapa, tudo muito bem organizado pela nova Guarda Civil Metropolitana que Dória planeja criar, essa é a resposta.
O prefeito da maior metrópole do país chamar pessoas de “lixo vivo” anuncia qual será a guerra travada na capital: contra os pobres.
Foto: Marcelo Camargo/ABr
Foto: Marcelo Camargo/ABr

Outras pérolas do prefeito eleito (e reações do povão):

- Em resposta, 55 organizações sociais escreveram nota em repúdio às afirmações de Dória e seu secretário;
- Vai ter virada clandestina pra esfregar na cara;
- Vai ter festival “lixo vivo” pra esfregar na cara (ainda não tem evento no Facebook. A primeira reunião será dia 14/12, na Matilha Cultural).

Aguardem, os próximos capítulos (da resistência), serão imperdíveis!

https://ninja.oximity.com/article/Desmentindo-mais-tr%C3%AAs-asneiras-de-1
Share:

0 comentários:

Postar um comentário